Análise semiótica de um fragmento do livro “O Segundo Sexo” de Simone Beauvoir sob a ótica do feminismo

Com base na Semiótica Greimasiana e no modelo do percurso gerativo de sentido, este artigo  apresenta uma análise de um trecho do livro “O segundo Sexo” de Simone de Beauvoir, focando nas figuras e temas que aparecem a nível discursivo, estabececendo uma paridade com a valorização recebida a nível fundamental e destacando o efeito de sentido da autora acerca do feminismo.
Autores: Flaviana dos Reis Correia
Giselle Andrade Amaral
Edilamar Kátia de Andrade

Leia o ARTIGO COMPLETO aqui

13 thoughts on “Análise semiótica de um fragmento do livro “O Segundo Sexo” de Simone Beauvoir sob a ótica do feminismo

  1. Muito interessante a análise semiótica, gostei da leitura do nível fundamental e a relação entre ser e parecer sobre quem seja o sujeito da lascívia. Vocês acham que, nesse texto, homem e mulher são sujeito e anti-sujeito em quadros de valores opostos ou que são destinador e destinatário?

    • Olá obrigada pelo comentário pelo que eu entendi do texto eu acredito que os valores opostos seriam sim o homem como sujeito e a mulher anti-sujeito porque é como se o homem fosse mesmo o sujeito que domina e a mulher seria o ” outro” que é dominada, assim era o pensamento de Simone Beauvoir. Muito boa sua colocação.

  2. Ótimo trabalho! A análise da obra de Beauvoir pela perspectiva do percurso gerativo de sentido faz com que ela se mostre ainda mais interessante e pertinente ao nosso momento atual.
    Parabéns pela escolha do tema!

    • Obrigada Laís! A escolha dessa obra para análise foi pensando também no momento atual de divulgação e entendimento das ideias feministas.

      • Obrigada Laís excelente observação de fato a obra da autora é muito pertinente aos dias de hoje de importante reflexão.

  3. Na análise semiótica de Greimas sobre as perspectivas dos discursos, há um processo estático em que ora definido o que propõe não se sujeita a alterações. Em controvérsia, tem-se a análise subjetiva de Jean-Claude Coquet que dinamiza continuamente na hora do discurso, o que pode ser segmentado como um processo interativo da fala. Assim, o que se tem de estático na visão de Greimas, tem-se de reflexivo na visão de Coquet.

    • Obrigada Djane excelente colocação o sujeito no discurso pode ser tanto estático como reflexivo.

  4. Adorei a escolha do tema. Sempre bom revisitar esse clássico do feminismo.
    Gostei muito de ver a teoria gerativa aplicada em Beauvoir. Acho que a analise do nivel fundamental, ou seja, a percepção de que todo texto tem como fundo uma oposição entre dois elementos foi o grande aprendizado da Semiotica pra mim. Nesse caso a Pureza e a Lascívia. Muito interessante como essa lascívia apesar de ser encarnada pela mulher está nos olhos do homem e em sua projeção. Entendi direito?
    Parabéns pelo trabalho!!

    • Sim Ana isso mesmo muito obrigada pelo comentário é sempre bom mesmo revisar a obra de Simone Beauvoir porque acredito que são discussões que são muito atuais que estamos sempre refletindo, a lascívia está na mulher e nos olhos do homem que a vê assim como se o tivesse contaminado..é bem interessante observar dessa forma.

  5. Excelente artigo, e gostei muito da escolha do objeto e da análise desenvolvida! Muito interessante apresentar a oposição semântica entre pureza e lascívia para mostrar a desigualdade estabelecida entre os sexos na qual a mulher é oprimida. Parabéns!

  6. Muito interessante a escolha da temática e muito relevante no atual momento! Parabéns

  7. Que análise interessante através do percurso gerativo do sentido, dentro da perspectiva semiótica. Parabéns!