Letramentos do campo, memórias das comunidades Gangorra e Genipapo

Baseando na concepção que o letramento é adquirido através da leitura e escrita nas práticas sociais de um grupo ou indivíduo. Neste artigo temos o objetivo de apresentarmos as ações e os fatores que influenciam o letramento em escolas do campo, bem como a influência da família nessa fase. Analisaremos duas trajetórias de letramento, ressaltando as dificuldades e potencialidades vivenciadas no campo.
Autores: Maria Karina Oliveira Gonçalves
Kelly Silva Ferreira

Leia o NOVO ARTIGO COMPLETO aqui

Leia o ARTIGO COMPLETO aqui

38 thoughts on “Letramentos do campo, memórias das comunidades Gangorra e Genipapo

  1. Caras colegas para mim tem sido um prazer ler o artigo de vocês e dos demais colegas do Curso de Licenciatura em Educação do Campo da UFVJM, habilitação linguagens e códigos. Através da exposição de vocês duas com relação a concepção de letramento gostaria de destacar a fala de vocês com relação ao aprendizado que também se dá fora do espaço da escola e que inclusive contribui para uma rede de solidariedade na comunidade.
    Gostaria ainda de destacar o trabalho de vocês com base na pesquisa ação mediante as rodas de conversas e levantamentos de situações significativas, partindo da importante construção do conhecimento com a comunidade.
    Vocês brilharam. Parabéns para vocês duas e ao docente Carlos Henrique.
    É desta educação dialógica que precisamos, para transforma nossa sociedade.

    • Obrigada, Graziele pelos elogios. A principal ideia nesse artigo é mostrar como há diferentes formas de manifestação do letramento, sendo este não somente relacionado com a escrita e a fala padrão, mas sim estes em seus contextos sociais. Afinal o letramento é mais do que saber ler e escrever, mas são praticas sociais e outros movimentos que ocorrem com os invividos dentro dos seus respectivos contextos de vivencia. Graziele eu leio preferencialmente os artigos da doutora SOARES, questiono algumas coisas, mas ela faz uma relação bastante condizente sobre a teoria e prática, e nessas relações a gente vai perceber como o letramento também se mostra presente, se você se interessar na leitura, acho que você vai saber fazer uma leitura bastante crítica e vai ser muito discutirmos isso.

      • Bom dia!
        Foi muito bom ler o texto de vocês.
        Uma boa contribuição à educação.
        Leciono na EJA e tenho tentado envolver a turma em pesquisas.
        Tem sido difícil, desafiador mas muito estimulante.
        Mas percebo que, quando se envolve as pessoas mais velhas da comunidade, os outros acabam levando mais a sério.
        Creio ser uma espécie de respeito pela história da comunidade.

    • Obrigado Graziele, é imensamente prazeroso termos nosso trabalho comentado por você e demais participantes.A idéia de foi realmente mostrar as diversas formas de letramentos que percorrem no nosso cotidiano. A realização desse trabalho em poder analisar a diversidade de letramento que existe de uma comunidade para outra sendo de um mesmo município foi muito enriquecedor.

    • Prezadas Karina e Kelly,
      Parabéns pelo trabalho apresentado.
      Temos muito que aprender sobre o letramento do campo: a terra, a comunidade, o trabalho do dia a dia são experiências autênticas para que a aprendizagem aconteça na interação com outro.
      Parabéns!
      Suzana Gomes

      • Obrigado!
        Sim realmente as realidades que o campo nos oferece são inúmeras o letramento é uma das práticas mais comum é mais importante que as pessoas campesinas estão presente no dia a dia.

  2. Parabéns às autoras pelo trabalho realizado e o olhar direcionado às escolas do campo. Dar visibilidade aos letramentos nesse espaço e valorizar as práticas sociais dos atores envolvido é muito significante.

    • Obrigado!
      Realmente a idéia é dar visibilidade a um conhecimento tão lindo que está presente no campo.Aumentar o valor ao letramento que está fortemente presente na realidade das pessoas campesinas.Grata pelos elogios.

  3. As experiências práticas são sempre muito elucidativas. Fico satisfeito em ler as reflexões empoderadoras sobre letramentos nas comunidades Gangorra e Genipapo. Acho que a decisão pelas entrevistas foi especialmente feliz, pois ouvir os sujeitos é uma decisão metodológica inteligente em se tratamento de pesquisa de culturas. A comparação, mesmo que rápida, devido ao exíguo espaço de um artigo destinado à publicação on-line, é a cereja do bolo. Parabéns às autoras!

  4. Este trabalho de pesquisa é muito interessante porque mostra a importância da leitura e escrita na sociedade letrada. Em se tratando disto, de modo explícito é possível perceber que a forma por meio da qual, a senhora citada neste artigo tem conhecimento a despeito de questões inerentes às celebrações litúrgicas, como também a ausência da apropriação do sistema de leitura e escrita possibilita os indivíduos estar inseridos no mundo letrado. Então, as concepções de leitura e escrita, associadas ao aspecto cultural oscilam em função do tempo, possibilitando o homem atuar de forma efetiva no contexto no qual, estão inseridos socialmente.

  5. Parabenizo as autoras pelo tema escolhido!
    Apesar de ser enfermeira e futura educadora acadêmica, observo que na minha profissão e na sociedade de forma geral o processo de aprendizagem se dá de modo diferente. Nesse sentido, o conceito de letramento deve ser entendido, absorvido e utilizado para melhorar trabalhar com o nosso cliente e com o outro de modo geral. Então, saber como o outro se comunica, se expressa, qual a linguagem usada por ele e a história por trás do seu letramento é um facilitador na relação profissional de saúde e cliente.

    • Exatamente Jessica, o segredo das nossas relações sociais e a escolha da linguagem que usamos, está bastante enfatizada no seu comentário, voltada para o contexto dos indivíduos, a que público estamos comunicando e como usar a língua como facilitadora dessa comunicação. Como profissionais, para atender suas especificidades e particularidades, temos que estar buscando trabalhar de acordo os contextos de vida dos indivíduos.

  6. As experiências práticas são sempre muito elucidativas. Quando elas vêm comparadas trazem um texto ainda mais rico. É o que acontece com este relato das comunidades Gangorra e Genipapo sobre suas experiências com leitura e escrita a partir da percepção de jovens adolescentes e de adultos acima dos 50. A decisão metodológica de irem até as comunidades entrevistar seus sujeitos e motivá-los a falar de suas experiências com o texto é muito acertada, tendo em vista que se trata de uma leitura das culturas de letramentos dessas comunidades. Só tenho que parabenizar as autoras!

  7. Rica abordagem desse artigo..
    A influência simultânea do processo de aprendizagem e a formação cultural e social do indivíduo, durante o processo de formação e solidificação da mesma. Demostra como a linguagem é a junção de todos esses aspectos, evidenciados no artigo, e o papel da escola de fazer a integração desses agentes .
    Parabéns aos autores.

  8. Muito interessante o escopo do artigo e a metodologia utilizada.
    Eu apenas não compreendi muito bem a concepção causal de linguagem que foi introduzida já no final do artigo, onde consta: “(…) A relação
    entre a fala, entre a linguagem e a cultura, é o muito próxima e de causa e
    consequência, pois se a cultura muda obteremos algo novo também na língua desse
    grupo.” — não é mais razoável pensar que cultura e língua se implicam mutuamente, e não que a primeira é causa eficiente da segunda?

    • Baseando na concepção que a fala antecede a escrita e outras formas de manifestação através da linguagem, e que tanto a nossa língua como a cultura são hibridas. Assim quando ocorre uma variação linguística dentro de um determinada língua como prática social introduzida nesse grupo causa um mudança mais sado grupo, consequentemente a cultura dele sofre uma mudança mesmo que superficial, significativa nessa cultura, pois quando se muda o jogo do discurso que é também consequência das aberturas que a língua tem, acredito que a língua trabalhada como identidade e especificidade de determinado grupo ela faz parte da cultura de tal e se esta muda a cultura também sofre mudança e vice-versa. Nas duas ultimas linhas o artigo continua (…) mudança na cultura pela abertura de uma nova prática social dentro de um especifico grupo cultural.(…)

  9. Ótimo artigo, meus parabéns!
    Uma abordagem excelente para os leitores graduados em letras, amei.

  10. Parabenizo as autoras pela temática e pelo público alvo!
    A metodologia escolhida foi excelente porque a roda de conversa facilita a troca de informações por proporcionar um ambiente informal. A pesquisa de campo auxilia o meio acadêmico a perceber a realidade, por isso esta pesquisa é muito enriquecedora. E a importância dada a língua e a forma de comunicação demonstra que as autoras realmente se preocuparam com as informações que seriam coletadas na comunidade.

  11. Foi uma escolha muito interessante meninas, retrata bem a realidade de muitos comunidades, inclusive da minha comunidade. Trazendo fatos reais, valorizando os saberes e a forma que foram letrados.

  12. A reflexão acerca da aprendizagem da leitura e da escrita por alunos da Educação Infantil, em especial na pré-escola, é de fundamental importância na garantia de uma educação que busca atender de forma adequada as necessidades das crianças.

  13. A abordagem das autoras é fundamental, pois, é importante pensar na questão do letramento para além das grandes cidades e torná-lo também uma realidade nas comunidades do campo, afinal, somente ler e escrever não é suficiente para uma inserção satisfatória nos vários níveis de relações sociais. Embora o artigo tenha ficado interessante, acredito ser este um tema interessante para se fazer um aprofundamento maior na temática, na metodologia e consequentemente, nos resultados finais, de outras pesquisas, enriquecendo, assim, através de novas possíveis pesquisas, e utilizando de novos métodos a temática abordada.

  14. É muito interessante como as pessoas que não tiveram a oportunidade de ir à escola, se alfabetizam, fazem conta e conseguem transformar a comunidade que vivem. Essas pessoas possuem a vontade, o interesse de fazerem a diferença, de conquistar alguma forma de independência linguística. O artigo é muito interessante, ao mostrar exemplos de como a linguagem faz falta para algumas pessoas e a força e vontade de conquistá-la. Mas também que, mesmo pessoas que são analfabetas, possuem o letramento, que sempre as auxiliam no cotidiano e na conquista da comunicação, do entendimento.

  15. Esse evento tem sido muito interessante, prova que tem muita coisa boa produzidos por nossos professores de diversas regiões no Brasil, e a educação a distância possibilita isso, que tenhamos contato com essa gama de trabalhos que tem feito a diferença por aí e ao mesmo tempo serve de formação continuada para nós. Parabéns ao organizadores do evento e aos participantes , tenho lido muitas contribuições excelentes para nossa prática pedagógica na escola.

  16. Parabéns as colegas Maria Karina e Kelly pelo tema escolhido. É muito importante ver no trabalho de vocês as diferentes formas de letramento, levando em conta os saberes populares das suas comunidades, pois as manifestações de letramento vão além da escrita ou da fala considerado-as formais, o texto também mostra que tais manifestações podem ser encontradas no meio social dentro das comunidades do campo. Dessa forma, o trabalho de vocês nos mostra que o processo de letramento e a aprendizagem vai além da escola, mostrando que nas comunidades há uma riqueza de ensinamentos a serem passados.

  17. Hoje o letramento constitui o ponto de partida a partir do diagnóstico da turma, onde o professor usará os conhecimentos prévios dos alunos para a elaboração de sua prática pedagógica. Em se tratando dos alunos do campo, os saberes tornam-se peculiares e enriquecedores.

  18. Boa tarde,

    Este trabalho nos mostra a valorização de outros contextos de letramento.
    O letramento pode estar presente em diversos contextos seja sociais seja culturais.
    Gostei do artigo de vocês, me fez refletir, pensar e mudar alguns conceitos.
    Parabéns!

  19. Parabéns pelo trabalho. Mostram com experiências a importância do letramento em nossa sociedade e como as pessoas do campo tem o interesse de desenvolver suas habilidades, mostrando que vai muito além da simples reprodução de habilidades de leitura e escrita, mas de todo um contexto social.

  20. Muito interessante a abordagem do artigo! Mostra que as relações humanas com a linguagem se dão em configurações distintas do que é ensinado na educação formal, perpassando contextos sociais, culturais e econômicos. Se, na educação formal, aprendemos a fazer contas simples e a ler e escrever antes de precisarmos dessas habilidades no dia a dia, os personagens do artigo passaram por esse processo de aprendizado pela necessidade de utilizá-lo. A diversidade de processos de comunicação nos contextos rural e urbano foi muito bem explorada no artigo, parabéns às autoras.

  21. No artigo percebi a ligação entre as praticas Sócias dentro da comunidade, como a participação em celebração como ato de letramento.
    percebe-se que não ter frequentado uma escola convencional, não interfere no aprendizado do sujeito de pesquisar. Através do fortalecimento, do convívio ativo comunitário.
    digo o sujeito compreendera sobre matemática, sobre a linguagem verbal e também não verbal, ou seja a própria comunicação com o outro com a sociedade nos letra.

    Parabéns meninas pelo artigo!

  22. Boa Noite!

    A interdisciplinariedade que vocês fizeram no trabalho mostra que tudo em favor a educação é possível mesmo com as dificuldades encontrada no caminho.

  23. Oi, Karina e Kelly!
    Algo que me chamou atenção no trabalho desenvolvido por vocês é que, por trás da realização do mesmo, há alteridade envolvida. Vocês se dispuseram a de fato conhecer uma outra realidade, conhecer o outro e suas percepções, para depois poderem construir o artigo, o que conferiu maior propriedade ao mesmo. Gostei muito da iniciativa. Parabéns!!!

  24. Meninas parabéns pela metodologia usada o texto é muito interessante e traz informações valiosas a particularidades de quase todas as comunidades a fé. O inicio dos tipos de letramento da leitura e da escrita que sempre é iniciado pelo interesse do individuo e praticamente sozinhos, pois o acesso a escola sempre foi e ainda é difícil.
    Mas também existem os letrados que muitas das vezes não assinam o próprio nome mas sabem a matemática e usam métodos diferenciado para fazer contas sem usar nem mesmo uma folha para rascunho nem tão pouco a calculadora .Isso é muito importante de ser mostrado o valor do povo do campo .

  25. é sempre interessante ver o pensamento prático acompanhar as ações da universidade. Falando de educação então, é essencial que os olhos da prática reflitam a teoria. Pensar nas formas de provocar comoção e estimular o aprendizado do aluno através de elementos que compõe seu cotidiano é uma forma de garantir que esses alunos se sintam parte do sistema educacional, e não domados por ele.

    • Parabéns Meninas!

      A pesquisa apresentada só reforça a ideia do Letramento de Mundo.
      Interessante quando vocês relatam a disposição dos entrevistados para ajudar no trabalho, apesar das dúvidas quanto Língua e Linguagem, o esforço para compreender é notório nos mesmos.

      Excelente artigo.

  26. Parabéns Meninas!

    A pesquisa apresentada por vocês só reforça a ideia do Letramento de mundo, as pessoas entrevistas principalmente os idosos identificados no texto são provas concretas de que para sermos indivíduos letrados em algo ( Escrita, oralmente, Calculando) basta a força de vontade de querer aprender!

  27. Parabéns Meninas!

    A pesquisa apresentada só reforça a ideia do Letramento de Mundo.
    Interessante quando vocês relatam a disposição dos entrevistados para ajudar no trabalho, apesar das dúvidas quanto Língua e Linguagem, o esforço para compreender é notório nos mesmos.

    Excelente artigo.