HQs e música na aprendizagem e nos letramentos

O presente estudo visa analisar as influências de histórias em quadrinhos e da música na aprendizagem de estudantes no ensino fundamental. Serão analisados textos do livro Memórias de letramentos: vozes do campo produzidos por graduandos da UFVJM. Demonstrar-se-á contribuições que HQ´s e músicas trazem para o aprendizado no universo citado.
Autores: Janaína Dos Santos Ferreira
Flávia Idalina Alves Moreira
Sandra Moreira da Silva

Leia o ARTIGO COMPLETO aqui
Este artigo recebeu Menção Honrosa pela Comissão Científica do UEADSL2016.2

75 thoughts on “HQs e música na aprendizagem e nos letramentos

  1. O processo de letramento e escolarização está intimamente ligado aos processos de comunicação com o consciente e subconsciente, e nesse sentido, uma comunicação com o aluno através de processos que comuniquem nesses dois sentidos pode trazer muitos benefícios. Tanto música, quanto histórias em quadrinho, comunicam através da emoção e a correlação com outros aspectos da memória que com certeza podem fazer com o que o percentual de absorção de informações e o processo de criação do conhecimento à partir da reflexão seja um tanto ampliado. Nesse sentido considero útil um pensamento à partir dos estudos psicológicos e neuro linguísticos, associado às técnicas pedagógicas práticas de educação que, no meu ponto de vista pode gerar um processo de educação efetivo e eficaz por sua natureza e além disso muito mais leve de ser conduzido tanto em sala de aula, quanto em qualquer outro ambiente, o que proporcionará um ambiente estimulador a professores e alunos.

    • Esse artigo me chamou muito a atenção principalmente quando fala em aprendizagem prazerosa e interessante, que a meu ver, muitos professores iniciantes buscam incansavelmente. Além disso, mostra possibilidades para que o aluno descobra o novo de forma significante para ele.

  2. Olá! Gostaria de entender como a música efetivamente auxiliou para que os alunos tivessem um maior nível de aprendizado. Houve algum teste aplicado que demonstrou tal melhora significativamente?

    • Olá, Alexandra! No meu caso, a experiência com a música na aprendizagem se deu de duas formas: Memorização e Reflexão. Na quinta-série, tive uma professora de ciências que ensinava sobre as funções das vitaminas cantando uma musiquinha que virou repertorio na turma. Até hoje me lembro de algumas passagens: “Nós somos as vitaminas e temos várias funções, defendemos o organismo de várias infecções (…) escorbuto só se tem quem a ‘C’ não quer usar, pois evita hemorragia que nos pode até matar”. E assim a música falava das vitaminas e a gente aprendia de forma bem animada e memorizava o conteúdo. No que concerne à reflexão, a música também desempenha um papel significativo auxiliando no posicionamento crítico-reflexivo do aluno. Nas aulas de geografia, 7º e 8º séries, a professora costumava aliar música pertinente ao conteúdo que ela estava trabalhando. Cito aqui, como exemplos, “Cidadão” ( com o Zé Ramalho), que perpassa problemas sociais. Uma outra música que essa professora utilizou em outra ocasião foi “Parabolicamará” (Gilberto Gil). O conteúdo abordado na disciplina era sobre as transformações na sociedade em relação à tecnologia. Com essa metodologia, abria-se espaço para discussão considerando também as letras das músicas junto ao conteúdo. Eu e a maioria da classe considerávamos as aulas bem interessantes e conseguíamos compreender os assuntos abordados.
      Bom, espero que eu possa ter contribuído em responder a sua pergunta. Muito obrigada pela participação!

    • Boa Tarde Alexandra!

      Infelizmente não houve nenhum teste comprovatório para tal afirmação.

      O que temos são relatos de algumas pessoas cujo a Música e as HQs contribuíram de certa forma para o seu desenvolvimento cognitivo, ou podemos afirmar segundo os depoimentos que as Músicas foram um facilitador para melhor compreensão de algumas temáticas/ conteúdos ministrados em sala de aula.
      Existem dois artigo interessantes sobre o Tema Música na sala de aula caso você queira ler!
      “A IMPORTÂNCIA DA MÚSICA NA APRENDIZAGEM”
      Autores: Carina de Faveri Ongaro
      Cristiane de Souza Silva
      Sandra Mara Ricc

      “A Música Como Recurso para a Aprendizagem do Aluno Hiperativo: Relato de uma Experiência”.
      Autores :Adriana Catarina de Carvalho de Paiva.
      Maria Bernadete Zagonel.
      Maria de Nazaré Vasconcelos Arouck.
      Silene Trópico e Silva.

      Grata Por Você ter Participado!

  3. Olá. Gostaria de saber que tipo de música foi usada quando as autoras relatam terem usado “música ambiente” para “relaxar” os ânimos na sala de aula?

    • Quanto educadora, pode usar a música como forma de beneficiar a aprendizagem dos alunos. Como por exemplo, a música “cuitelinho”, que corresponde ao conteúdo de concordância nominal e variação linguística. como também a musica “Eu Canto” (Raimundo Fagner) que corresponde ao conteúdo de conjunção coordenativa explicativa e aditiva. Assim, em vez de apenas explicar o conteúdo para os alunos, o professor pode levar exemplos empíricos para sala de aula e que contemplarão a realidade dos alunos. A partir daí o professor pode analisar com seus alunos as diferenças da língua.
      espero ter conseguido responder sua pergunta.
      grata pela participação!

    • Quanto educadora, pode usar a música como forma de beneficiar a aprendizagem de seus alunos. Como exemplo, pode citar a música “cuitelinho”, que corresponde ao conteúdo de concordância nominal e variação linguística.como também a musica ” Eu canto” ( Raimundo Fagner) que corresponde também os conteúdos conjunções coordenativas explicativa e aditiva.Assim, em vez de apenas explicar o conteúdo para os alunos, o professor pode levar exemplos empíricos para sala de aula e que contemplarão a realidade dos alunos. A partir daí o professor pode analisar com seus alunos as diferenças da língua.

  4. Esse artigo mostra o verdadeiro valor de se usar quadrinhos e músicas, além de fantoches e outros recursos audiovisuais para propiciar o Letramento.

  5. Parabéns pelo trabalho! Aliar o uso da ludicidade com o letramento é muito interessante!
    Abs, Luciana Caixeta

  6. Muito legal ver o relato de um trabalho lúdico, a partir de músicas e de quadrinhos, realizado por estagiárias licenciandas, com resultado de sucesso em letramentos diversos. Mais interessante ainda é notar que o trio de autoras consegue perceber o potencial do material e da metodologia que escolheram a partir da prática social da docência e em consonância com as teorias de letramento e da enunciação. É o que se espera de um curso de licenciatura que forma boas professoras como vocês já são.

  7. A proposta de aulas envolvendo materiais que os alunos verdadeiramente gostam, a exemplo dos quadrinhos, é uma grande oportunidade para toda a comunidade escolar. Parabéns pela escolha da temática.

  8. Interessante proposta didático-pedagógica no processo de ensino-aprendizagem porque visou levar os alunos a estudar de forma lúdica sem o excesso de memorização. Além disso, é essencial que sejam aliados conteúdos, recursos didáticos, como também a sua ressignificação dentro do contexto da educação formal. Assim, do ponto de vista didático foram aliados os três pontos essenciais quanto ao planejamento de ensino, ou seja, os conteúdos conceituais, procedimentais e atitudinais.

  9. Olá, parabéns pelo artigo.
    Achei muito bacana o texto e importante ressaltar o ato intencionalmente educativo na letra da canção mencionada. Gostei muito da relação que estabeleceram entre a música e outros gêneros, sobretudo as HQs.
    Muito bom! 😉

  10. Na definição, letramento é ” práticas sociais de leitura e escrita (…), assim, quadrinhos e música tornam mais palpáveis essa experiência, pois permite o teor da prática. O som, as imagens torna o estímulo cognitivo mais intenso. Na minha experiência pessoal, tive meus primeiros contatos com a leitura e aprendizado a partir dos quadrinhos, aquele famoso dos anos 80. Era prazeroso, agradável.

  11. Achei interessante a ideia de que a musica é capaz de proporcionar melhora na retenção do conteúdo. Mas uma coisa de que senti falta no artigo foi a descrição da origem desses resultados. Que testes empíricos foram realizados para comparar a retenção de conteúdos por alunos submetidos à música ambiente e aqueles do grupo controle? Acredito que apenas mediante esse tipo de teste é possível saber se a música de fato influenciou, bem como levantar dados quantitativos.

  12. Achei muito interessante o estudo. Entretanto, tenho minhas dúvidas com relação às HQ’s. Eu sempre fui um ávido leitor de HQ’s, mas tenho a impressão que crianças em fase inicial de letramento poderão ter uma certa dificuldade com os quadrinhos. Pois muitas vezes as falas contidas nos balões nem sempre tem uma correção direta com imagens contidas no quadro. Isso poderia causar uma certa confusão nestes indivíduos em fase inicial de formação.

    Quanto a música, sempre fui um defensor de sua utilização em sala de aula, principalmente em aulas de língua estrangeira.

    Parabéns pelo trabalho.

  13. Muito interessante e atual a discussão que o artigo propõe. No que concerne a música como proposta pedagógica é interessante notar que muitos de nós já passou por situação parecida e provavelmente lembra de algum momento de aprendizagem com cantigas. Quanto às HQ’s, seria muito interessante ver de fato a disseminação do conhecimento através deles. As histórias quando contadas com imagens (quadrinhos) proporcionam uma maior retenção da atenção.

    Muito bom o artigo.

  14. Utilizar músicas principalmente cantigas regionais e HQ’s para alfabetizar é uma estratégia muito interessante, por ser lúdico desperta e prende a atenção principalmente das crianças. Com os quadrinhos é possível despertar o gosto pela leitura tornando-se uma ponte para outra formas de leitura. Esses tipos de técnicas são muito úteis para o processo de aprendizagem. Parabéns para os autores pela iniciativa.

  15. Esse artigo me chamou muito a atenção principalmente quando fala em aprendizagem prazerosa e interessante, que a meu ver, muitos professores iniciantes buscam incansavelmente. Além disso, mostra possibilidades para que o aluno descobra o novo de forma significante para ele.

  16. minha infância toda na escola passei aprendendo tudo com cânticos, musiquinhas e etc… Até hoje em dia eu com 25 anos ainda utilizo técnicas de memorização musical na qual eu acho indispensável para meu aprendizado, muito bacana esse artigo, parabéns aos autores.

    • Fato Wagner, lembro que aprendi também a contar os numero com a cantiga “mariana canta um mariana canta dois”.

    • Fato wagner, também lembro que aprendi a contar os numerais com a cantiga, “mariana canta um mariana canta dois.”

  17. Parabéns aos autores pela abordagem. Trabalhar com novas propostas didáticas fazem as aulas se tornarem prazerosas e não mecanizadas. Vale ressaltar ainda que, as HQs são ótimos recursos para o processo de ensino e aprendizagem.

  18. Parabéns aos autores.
    Achei bem interessante a proposta.
    Realmente a música e os quadrinhos podem contribuir de forma lúdica para diversos campos de aprendizagem, sobretudo porque ativam diversas áreas no cérebro.
    Os quadrinhos podem estimular o gosto pela leitura e as músicas podem ser utilizadas para ensinar diversos contextos.
    Contudo, no caso da música, deve-se ter um certo cuidado se ela for usada para relaxamento. Concordo com os autores no fato de que muitas técnicas devem ser desenvolvida mas a proposta pode levar a bons resultados.

  19. A temática do artigo é muito interessante pois demonstra a importância da música e do HQs para o nível de letramento. O que quebra alguns paradigmas estabelecidos pela sociedade e auxilia os professores usarem gêneros textuais escritos e orais usualmente não utilizados. Parabéns pelos autores pela iniciativa.

  20. Parabéns as autoras pelo trabalho! Gostei da proposta de terem trazido o gênero HQ para sala de aula, mostrando que o letramento não se dá unicamente pelos gênero “elitizados”, mas pelas diferentes formas de interação/socialização que a linguagem oral /escrita oferece. Parabéns pela escolha dos gêneros e por terem desenvolvido um processo de ensino – aprendizagem significativo.

  21. Esse artigo nos desperta para a percepção de que a aprendizagem, o letramento não esta somente nos livros didaticos, que há outras formas de trabalharmos e estimular o letramento com as turmas.

  22. Para a alfabetização e letramento na Educação Infantil sabemos que são necessários recursos, como a disponibilização de diferentes gêneros textuais às crianças e práticas, como contar histórias, rodas de leitura e músicas, por meio das quais, o professor pode aproveitar o conhecimento prévio das crianças, como uma ponte para a elaboração das próximas etapas.

  23. Muito interessante pensar que passei pelo processo de letramento com músicas e histórias em quadrinhos e nunca reparei nas questões levantadas no artigo: como os quadrinhos ao trazer diversas linguagens textuais colabora para nossa capacidade de compreensão e interpretação, como as músicas , memso lúdicas, facilitam no aprendizado de certa matérias além de passar menssagens educadoras como lavar as mãos ou escovar os dentes.

  24. Acredito que quanto maior a variedade de meios para se ensinar,maior o alcance de pessoas que teremos.A multimodalidade é extremamente bem vinda e a música já está consolidada como importante para o aprendizado em geral.

  25. Apesar de o artigo ser curto e não apresentar a metodologia e maiores detalhes, o resultado é bem conveniente, uma vez que esses recursos são intensamente usados na educação e na própria casa, através de desenhos educativos. Associar o aprendizado ao lúdico é essencial na educação infantil, uma vez que as crianças não possuem um senso de responsabilidade em armazenar informações com objetivos pragmáticos.

  26. Parabéns pelo trabalho, Ana Cláudia. Nossos estudantes estão necessitados de propostas de ensino como a sua que incentiva a aprendizagem de uma forma prazerosa.

  27. Janaína, Flávia e Sandra, desculpem pela confusão dos nomes. Imperdoável! Mas realmente, gostei muito do trabalho de vocês. Parabéns!

  28. Bom dia!
    Eu tinha grande preconceito sobre HQ. Achava que não era coisa muito boa de ser a não ser que a pessoa fosse uma criança.
    Um dia na faculdade, fui sorteado a apresentar um trabalho sobre a história da HQ.
    Este fato mudou minha maneira de encarar este tipo de obra e me descortinou um universo de possibilidades.
    Tanto mudou que resolvi ler este trabalho.
    Creio que faltou um cunho mais científico. Mas ficou bom.
    Desejo sucessos.

  29. Trabalhar com gêneros textuais e letramento é algo muito rico, podendo ser mostrado para as crianças de diversas maneiras. O modo como deverá ser mostrado é de extrema importância, pois deve fazer sentido para elas. Todas as pessoas gostam de música, e as crianças não são diferentes. A música infantil desperta a alegria nos pequenos e serve para introduzir muitos assuntos e ajudar na preparação para determinados momentos, como a hora do lanche e de lavar as mãos. As histórias em quadrinhos são bastante atrativas para a processo de alfabetização e para crianças maiores. Muito conhecimento pode ser produzido através deste gênero, por que além das crianças gostarem de ler, elas adoram produzir as próprias histórias em quadrinhos. O artigo foi muito bom para pensarmos e desenvolvermos mais estas questões.

  30. Olá! Parabéns pelo excelente trabalho!

    Penso até que essas estratégias pedagógicas poderiam ser usadas nos cursos superiores, já li relatos que em cursos preparatórios e pré-vestibulares acontecem sempre.

    Forte abraço.

    Josilene e Márcia

  31. Parabéns meninas pelo trabalho.
    Vejo pelo texto de vocês que as metodologias utilizadas para incentivar os alunos no letramento e alfabetização são muito validas, realmente entendo que a musica incentiva muita e ajuda a criança se interagir mais naquilo que está sendo proposto, quando estudava lembro-me da professora passar musicas com o alfabeto e isso era muito legal, outro ponto foi aprender a tabuada através da musica, então pela minha experiencia posso dizer que essa metodologia é muito valida e aceita pelos alunos. Quanto ao uso de HQs não pratiquei na escola, más pratiquei em casa e era muito interessante, principalmente, por que no final dos livrinhos tinham os quadrinhos para completar os nomes e associar o desenho com a palavra. Dessa forma podemos ver que formas de letramentos vão além daquelas conceituais, empregadas pela sociedade, isso nos mostra que existe uma variedade de gêneros que podem e devem ser explorados dentro e fora da sala de aula.

  32. Artigo muito interessante por abordar temas que fazem parte do quotidiano de muitas crianças, como as HQ e a música, e muitas vezes os responsáveis que acompanham estas crianças, tanto em casa quanto na escola não percebem como estes recursos são importantes para o desenvolvimento infantil, já que traz à tona conteúdos lúdicos. Interessante, também, a quebra do clichê – de que pessoas letradas são aquelas de boas formações, intelectuais etc – trazendo-nos à realidade o significado que acompanha a produção de enunciados e a linguagem falada. Artigo muito bem proposto, e que novos trabalhos sobre o assunto possam ser feitos para nos acrescentar mais conhecimento.

    • Ótima Observação Debs,
      Esse é o proposito: quebrar, desconstruir e construir algo que valorize o nosso conhecimento de mundo, e não só aquilo que aprendemos nas salas de aula!
      E provavelmente outros artigos virão.

      Obrigada pela sua participação!
      Abraços.

  33. Os quadrinhos sempre fizeram parte do imaginário criativo das crianças, podendo essa prática estar vinculada como estratégia de ensino onde os alunos vão ampliar suas próprias formas de ler o mundo.Eu tenho contato com quadrinhos desde criança e hoje, como estudante do curso de Pedagogia, faço uma reflexão acerca do papel tanto das revistinhas em quadrinhos, quanto dos livros didáticos e gêneros textuais em geral, em quanto podem contribuir satisfatoriamente para uma produção diferenciada e mais refinada de conceitos e aprendizados para todas as disciplinas.

  34. Confesso não ter compreendido muito o artigo, ele buscava analisar as influências desses recursos, mas pouco se falou deles. Quais foram os critérios de observações que permitiram as autoras chegar na conclusão de contribuição desses recursos? Pensando em relato de caso, como poderiam descrever?
    Contudo, parabenizo pelo tema. Pois se estou aqui é por causa dele. Iniciativas que buscam trabalhar conteúdos extracurriculares como recursos para conteúdos comuns são de extrema importância no que tange a formação cidadã.

    • Olá Diego Henrique,
      O Objeto de estudo que fundamenta o artigo são baseadas em nossas próprias experiências relatadas no livro “Memórias de letramentos: vozes do campo”. Esse livro foi produzido por nós, Graduandos da Licenciatura em educação do Campo UFVJM.

      Quando você cita a Contribuição desses recursos, penso que somos prova viva de que esse recurso contribuiu significativamente para a nossa aprendizagem. O critério de observação foram as próprias experiências relatas pelas outras duas Autoras( Sandra e Flávia), é como você mesmo escreveu ” Pois se estou aqui é por causa dele” foi nesta perspectiva que chegamos a nossa conclusão .

      Obrigada pela participação suas dúvidas foram válidas !

      • Obrigado pela resposta Janaina!

        Onde posso encontrar alguma versão desse livro? Você pode disponibilizar?

        • Oi Diego,
          Como o livro foi um trabalho coletivo feito em sala de aula , e reuni várias memorias, tenho que buscar algumas informações sobre a sua disponibilidade para o público com o professor responsável O Carlos!

          Responderei em breve!

          Grata pelo interesse!

          Abraços.

        • Oi Diego,

          Infelizmente o livro ainda não foi disponibilizado ao público online!

          Eu tenho uma versão !

          Você pode me enviar o seu Email, para eu possa enviar-lo?

          Grata pelo Interesse!

  35. Olá meninas,

    Gostei muito da linha traçada para a pesquisa. A ludicidade como meio de aprendizagem no letramento. Excelente proposta. Acredito que o resultado será muito positivo se colocado em prática. As crianças adoram aprender brincando. É uma proposta bastante motivadora. Parabéns!

  36. Pessoal, boa tarde!
    Muito interessante o tema desenvolvido por vocês. Acredito que tais estratégias ainda são pouco utilizadas no campo do letramento.
    E algo que me lembrei logo no início da leitura do artigo quando falaram sobre a musica que educa divertindo, era do programa Castelo Ra-tim-bum.
    Sempre gostei muito da forma com que ensinavam as crianças com seus métodos lúdicos.
    Acho que precisamos mais desse tipo de letramento sim.
    Estão de parabéns.
    Abraços!

  37. Pingback: Três artigos do UEADSL 2016/2 atingem marca dos mais comentados de todas as edições; confira – CAED – Centro de Apoio à Educação a Distância

  38. No primeiro parágrafo da segunda página, o termo “utilizamos” está em discordância com o restante da frase. Acho que o segundo parágrafo da segunda página está demasiadamente extenso. Há ideias desconectadas com o texto e expostas aleatoriamente, talvez fosse interessante melhorar estes detalhes. Senti falta de embasamento nas afirmações feitas no artigo, pois não consegui perceber se são afirmações das autoras ou de outra pessoa e/ou trabalho. Notei alguns erros de escrita no trabalho também.

    • Olá, Gustavo!
      Primeiramente quero agradecer pela leitura e observações acerca do nosso artigo. Como você bem pontuou há ocorrências de erro em algumas partes. Eu diria que faltou uma maior atenção na hora de digitá-lo. As afirmações ao longo do artigo são baseadas em nossas próprias experiências relatadas no livro “Memórias de letramentos: vozes do campo”. Trata-se de uma coletânea de textos produzidos por nós, graduandos da Licenciatura em Educação do Campo, da UFVJM. Destaco aqui que os textos utilizados na produção do artigo foram: “Aprendizados da minha vida” (Janaína dos Santos Ferreira), “O primeiro contato com a leitura” (Flávia Idalina Alves Moreira) e “Minhas leituras” (Sandra Moreira da Silva). Como são textos de nossa própria autoria, desconsideramos a necessidade de enfatizar as referências, fazendo-as apenas para Bakhtin e Soares. Muito válidas as suas observações, obrigada!

  39. Caras autoras,
    Achei muito interessante a pesquisa de vocês. Acredito que realmente é possível fazer um letramento no conceito aplicado por Soares por meio de HQ e música.
    Gostaria de saber o nome dos autores da obra Memórias de letramento:vozes do campo. Fiquei bastante interessada.

    • Oi, Loyane Cristine!
      “Memórias de letramento: vozes do campo” é um livro organizado pelo nosso professor, Carlos Henrique Silva de Castro, da disciplina de Gêneros textuais. São experiências trazidas por estudantes do curso de Licenciatura em Educação do Campo, habilitação em Linguagens e Códigos,da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM). No total, são 23 relatos de como se deu o processo de letramento desses estudantes. Para realização deste artigo utilizamos nossos próprios textos presentes no livro em questão, que são: “Aprendizados da minha vida” (Janaína dos Santos Ferreira), “O primeiro contato com a leitura” (Flávia Idalina Alves Moreira) e “Minhas leituras” (Sandra Moreira da Silva).
      Grata pela sua participação e espero que você possa ler o livro na íntegra!

  40. Interessante o trabalho. O excesso de memorização já se mostrou como um fracasso escolar no passado no processo de aprendizagem e proposta didático-pedagógica leva os alunos a estudar de forma lúdica e prazerosa, associando conteúdos, recursos didáticos no contexto da educação formal, embora inda pouco explorada se mostra com uma perspectiva positiva para o ensino.

  41. Em primeiro lugar gostaria de parabenizar os autores do artigo, pois é cada vez mais necessário relacionar a educação condizentes com a realidade dos alunos, propondo alternativas inovadoras e didáticas e ao mesmo tempo dotadas de ludicidade. Assim sendo, trabalhar o processo de ensino e aprendizagem sob as bases da ótica lúdica de maneira prazerosa, se fazem cada mais urgentes, pois instigam os alunos a quererem aprender e conhecer, uma vez que estamos cada vez mais nos afastando da educação e seus benefícios. Esse tipo de recurso didático pedagógico, pode contribuir para minimizar os analfabetos funcionais que tem aumentado cada vez mais no país nos últimos anos.

  42. Parabéns às autoras pela iniciativa! Formas lúdicas de incentivar o aprendizado e a retenção dos conteúdos ensinados em sala são fundamentais atualmente, principalmente para adaptar o espaço da sala de aula às novas relações das crianças com a tecnologia. O ensino maçante baseado em repetição e memorização já se demonstra em decadência, e uma abordagem mais voltada para a percepção prática do que é ensinado é muito importante para melhorar o nível da educação básica no Brasil. O prazer no aprendizado torna a experiência muito mais efetiva para os alunos, e o papel da escola precisa ser projetado de modo a convidar os alunos para dentro, e não afastá-los por cargas excessivas e entediantes de conteúdo.

  43. HQs e músicas são gêneros multimodais que atraem muito os alunos sejam eles crianças ou adolescentes. Um trabalho como este, bem sistematizado, com objetivos claros, vai ao encontro de uma pedagogia voltada para os multiletramentos tão necessários no mundo contemporâneo. Parabéns pelo trabalho!

  44. Pingback: Professor da UFJVM, que trouxe turma de 23 alunos para o UEADSL 2016/2, comenta importância do evento – CAED – Centro de Apoio à Educação a Distância

  45. Parabens pelo excelente trabalho.
    Com certeza estou colhendo experiencias para minha formação enquanto futuro professor.

    • Obrigada Mauricio!
      Estou muito feliz, estamos tendo a oportunidade de colocamos em prática os nossos conhecimentos de mundo, e experimentamos novos letramentos.

      Abraços.

  46. Boa Noite!
    Senhores autores, parabéns pelo trabalho. Vocês acentuaram pontos bem relevantes para o letramento por meio das HQs e música, logo dois gêneros textuais muito utilizado pelos jovens, por exemplo, quando vocês acentuam que as HQs e a música contribuem para o desenvolvimento cognitivo das crianças na faixa etária da escolaridade é de forma bem atrativa.
    As crianças de uma forma geral adoram novidade, diversidade….
    E nada melhor aprender brincando que é sem duvida um jeito eficaz, uma maneira que o ser humano consegue assimilar o conteúdo de maneira rápida.
    Abraço.

    • Obrigada pela participação Lucilia,
      É de total relevância saber que existem inúmeras pessoas que compartilham e aponham a nossa ideia!

      Abraços!

  47. Parabéns pelo artigo! Realmente, quando a construção do conhecimento ocorre por meio de práticas pedagógicas lúdicas, o resultado só pode ser um sucesso! Aprender brincando, aprender com prazer é muito estimulante! Gostei muito da ideia de vocês! Abraços.

  48. Interessante a abordagem do artigo. Sou aluno de Biblioteconomia e o processo formador do letramento informacional é parte de nossa tarefa como profissional.
    Infelizmente, há um viés pedagógico bastante enclausurado em que tipo de literatura é ou não é boa para a formação do leitor e para a leitura. Os HQs são marginalizados neste aspecto, o que infelizmente, na minha visão, é um erro. É um tipo de mídia de fácil acesso e de bastante apelo ao publico, que pode ser o canal de discussões mais profundas.

  49. Meus parabéns pelo trabalho! É muito importante deparar-se com práticas que envolvam o jovem no seu próprio processo de aprendizagem. Isso faz com que tudo seja mais assimilável, e é papel da universidade de apontar esses caminhos para que, na prática, os conteúdos escolares mostrem esse avanço.