Conferência: Software Livre na Educação

Vídeo da Conferência do Professor Paulo Francisco Slomp (UFRGS) sobre software livre na educação.

Converse com o convidado via comentários aqui no blog. “Caso o vídeo não esteja carregando normalmente, clique aqui e clique novamente, na página que abrir, sobre uma das opções de formatos listadas abaixo do vídeo

14 thoughts on “Conferência: Software Livre na Educação

    • Observe que tanto uma como outra tabela são dinâmicas. Clique na primeira linha de cada coluna para reordenar as informações.

      O formato é wiki. Você pode editar diretamente, inclusive de forma anônima. Você também utilizar a aba “Discussão” para comentários.

      A licença é livre, do tipo Creative Commons CC-BY-SA.

  1. Segundamente… kkk Sempre tem um segundamente… kkk

    Brincadeiras a parte eu queria externar aqui o meu reconhecimento ao Professor Paulo Francisco Slomp (UFRGS). Acompanho o seu trabalho e me sinto honrado em deixar aqui uma pequena contribuição.

    Essa proposta que vou descrever aqui já foi apresentada a um ex-aluno que criou uma distribuição GNU/Linux chamada http://duzeru.org/ . Infelizmente ele achou a proposta bastante complicada.

    Depois em outra oportunidade apresentei a proposta ao pessoal da UNIÃO LIVRE para que aplicasse em sua proposta de APPCENTER. Também acharam complicado.

    Observo a proposta de catalogação de Software Livres Educacionais desde o PROJETO CLASSE da UFSC (CLASSE – Classificação de Software Educacional Livre – UFSC – classe.geness.ufsc.br/index.php).

    Gostaria de contribuir com aspectos que podem fazer toda a diferença na catalogação de softwares, especialmente se pensarmos em ir além do software e relacioná-los a conteúdos, livros, assuntos, por exemplo para a formação de um aluno do Ensino Superior de TI (apenas como exemplo).

    Imagine um sistema de catalogação que para além da catalogação pura e simples do software, o relaciona a oficinas e práticas pedagógicas, também catalogadas, que indicam como aplicar aquele determinado software em um contexto educacional. Agora vamos extrapolar isso para o contexto da inteligência coletiva e da rede. Imagine um repositório que além de permitir a catalogação colaborativa de softwares permita catalogar e relacionar os softwares a assuntos, materiais didáticos livres (livros, apostilas), práticas pedagógicas de uso do software (howtos, oficinas, roteiros e etc), e até a disciplinas do ensino superior. Tudo isso de forma colaborativa! Tudo isso com um sistema de hancking e de validação (reputação).

    Esse processo permite inverter a lógica da busca. O aluno, professor ou o interessado não irá apenas procurar pelo software, mas sim irá buscar pelo tema, assunto ou disciplina, ou até por palavras chaves. Veja que o natural por exemplo para um professor é procurar um software que se encaixe em seu conteúdo, e indo além, que possua práticas e oficinas pedagógicas disponíveis que colaborem com o tema que ele pretende ministrar.

    Assim poderemos ir além de simplesmente gerar documentação de uso da ferramenta, mas criaremos um arcabouço de práticas pedagógicas de como ensinar diversos temas a partir de um repositório de softwares.

    O repositório colaborativo pode receber colaborações, votação, indicações e o trabalho será apenas de moderação. A rede fara o trabalho de colaboração e de construção coletiva do repositório.

    Como Coordenador de Curso e professor penso que há aqui uma oportunidade impar. É isso que apresentei em duas oportunidades anteriores a dois projetos que poderiam adotar essa prática (essa nova proposta).

    Outro aspecto interessante é que o sistema poderia gerar scripts de instalação de diversos softwares inclusive os não empacotados, tendo uma interface também colaborativa para os comando de instalação de cada software para diversas distros (as principais).

    Imagine entrar no sistema marcar todos os softwares que deseja e o sistema gerar um script de instalação daquele pacote de softwares para sua distro. Imagine o sistema fazer isso não apenas com o Software, mas com o conjunto de material disponível para aquele softwares fazendo o download de apostilas, howtos, oficinas e práticas didáticas para aquele software específico selecionado.

    Bom rapidamente é isso que gostaria de apresentar como contribuição.

    Ronald Emerson Scherolt da Costa
    (61) 9176-6393
    http://www.ronaldcosta.pro.br
    http://lattes.cnpq.br/6965462707390165

  2. Obrigada, prof. Paulo Slomp pela contribuição. Acessei as tabelas e os links. Muito útil para o dia a dia do professor. Porém, não encontrei nenhum conteúdo de filosofia, que é minha área de atuação, e vários links registrados na tabela no idioma PT-BR estão em inglês. Fora isso, adorei!

  3. Pingback: Conferência: Software Livre na Educação no UEDSL 2016.2 – Rafaela Melo

  4. Prezado Prof. Slomp,

    Muito obrigado por compartilhar conosco seu trabalho. A parte difícil é encontrar materiais no nível e contexto adequados.

    Em física, por exemplo, muitas vezes o que vemos são simulações, que partem de fórmulas prontas, sem respeitar os limites de validade e a própria realidade. Ao mesmo tempo, encontramos objetos de aprendizagem fantásticos, que ampliam e estimulam o aprendizado.

    Grande abraço, wagner.

  5. prof Slomp,
    Eu já usei a tabela em cursos de formação de professores e foi muito bem recebida por eles.
    Usar software livre no meu trabalho como pesquisadora e professora é uma opção pela qualidade, eu não uso software proprietário pra isso faz anos no meu computador, em casa e na faculdade.
    É mais difícil quando se fala de comunidadores. As pessoas não buscam webconferencias, elas buscam skype. Não procuram mensageiros, procuram whatsapp. Claro, eles tem muito mais gente porque muito mais dinheiro pra propagando (software livre em geral tem 0 reais pela eternidade toda)
    É grátis, funciona, porque não usar?, argumentam. Me pergunto e, se tiver a chance, pergunto a elas: software livre em geral é também grátis – embora não sejam sinônimos – também funciona e é livre – ou seja, não me sujeita a políticas invasivas, como se lê nos contratos, e consumistas não escritas nos contratos como não permitir usar uma versão mais antiga e mais velha no meu celular velhinho, me expulsando e nem mesmo me permitindo deletar minha conta para que meus amigos saibam que não o uso mais.
    Por que não usar o livre?
    Porque fazer as pessoas pensarem nessas coisas é sinônimo de chatice?
    Muito obrigada pela conferência, Slomp!
    Um grande abraço amigo
    Ana Matte (acris Diretora do Texto Livre)
    http://www.textolivre.org

  6. Muito esclarecedora a palestra. Acessei as tabelas e encontrei muitas atividades que serão muito úteis em sala, já que estão em consonância com as atuais necessidades do ensino: uma prática voltada para o letramento digital e crítico.

  7. Boa tarde, parabéns pelo trabalho, o artigo foi muito bem escrito o tema é muito original. As tabelas são super interessantes e há muito que se possa aproveitar, um ótimo material.
    Obrigado por compartilhar esse artigo.

  8. Parabéns
    Pela iniciativa, acessei a tabela dinâmica e pretendo pesquisar mais sobre software livre como recurso educacional para poder aplicar na sala de aula.

  9. Professor Paulo Slomp,

    Apesar de ser inexperiente no uso de softwares em sala de aula, gostei muito das possibilidades que foram apresentadas para uso de softwares livres.
    Inicialmente foi ótimo fazer a diferenciação entre o software livre e o grátis. Era uma informação que de fato desconhecia.
    Sobre o trabalho da pesquisa, ressalto o valor da tradução dos aplicativos. É muito importante fazer esse trabalho porque significa que mais pessoas terão acesso. Muitas vezes eu deixei de buscar opções de app porque sabia que muitos era em inglês.
    Foi bom conhecer o software educacional livre na Wikipédia. Eu não conhecia a possibilidade de editar o programa, quando eu testar acredito que conseguirei ajustar para as necessidades dos meus alunos.
    Passei a apresentação inteira pensado em como facilitar os usos para meus alunos, e a barreira do acesso a internet estava latejando na minha cabeça. Então, quando o professor ao finalzinho do vídeo levanta essa questão, eu me senti de fato contemplado porque é um fato e uma preocupação geral.
    Infelizmente a escola (onde trabalho) tem um laboratório de informática obsoleto e nem todos os estudantes possuem tablets etc. Mas o grande problema ainda é acessar a internet para usufruir.
    Seria muito importante se houvesse algum tipo de integração entre as empresas telefonia e as plataformas de software livre, do mesmo modo que vendem planos com Facebook e WhatsApp “ilimitados”.

    Parabéns ao professor e aos alunos envolvidos na pesquisa. Desejo-lhes sucesso porque isso pode melhorar muito a nossa educação.

    Luiz Eduardo Andrade
    O que não se popularizou foi a internet

  10. Parabéns pela Palestra Professor Paulo Slomp!

    Parabéns pelo projeto de Elaboração e Publicação da Tabela Dinâmica de Software Educacional Livre! Achei muito interessante o resultado final; e com certeza será muito útil para professores e pesquisadores.
    Tenho um grande interesse nessa área, tanto que já fiz um projeto semelhante, mas com outro formato.
    É bom saber que existem cada vez mais pesquisadores e professores com interesse em desenvolver projetos e pesquisas na área de Softwares Educacionais.