Pedagogia presencial e a distância da UFMG: diálogos e encontros

Este artigo introduz uma proposta de projeto de pesquisa a ser desenvolvida com docentes e discentes da Pedagogia Presencial e a Distância da Faculdade de Educação (FaE) da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). A profissão docente será analisada pensando nas potencialidades dos percursos formativos e na sua influência para a construção da identidade docente. O levantamento bibliográfico e entrevistas semiestruturadas farão parte do desenvolvimento do trabalho.Espera-se dialogar sobre os princípios para a formação em ambas as modalidades, refletindo sobre a necessidade de investimentos na formação de professores, na valorização e na garantia de recursos didático-pedagógicos.
Autores: Isabela de Souza Moura
Juliana de Paiva Vieira Soares

Leia o ARTIGO COMPLETO aqui

17 thoughts on “Pedagogia presencial e a distância da UFMG: diálogos e encontros

  1. A EAD ainda não supera a educação presencial. Há uma busca pela modalidade EAD devido ao valor menor da mensalidade e a falta de tempo dos alunos em frequentar todos os dias uma universidade.

    Com a ampliação do número de alunos em EAD ocorreu um grande investimento nessa área para prestar um serviço de qualidade.

    A evasão dos estudantes é o maior obstáculo para o EAD. Muito alunos não se adaptam a essa metodologia e não conseguem continuar o curso.

  2. Olá Isabela e Juliana,

    Parabenizo vocês pelo artigo produzido e apresentado ressaltando a construção da identidade docente.

  3. Os cursos a distância em certa forma são ainda uma novidade, que apesar de alguns dilemas, apresentou como uma solução para algumas dificuldades de se estudar, como tempo livre e deslocamento. Na educação a distância não se pode confundir com maior facilidade em tudo, exige a atenção, organização e foco dos estudantes. Um ponto que eu acredito ser muito importante é a busca por respostas e disciplina em um aluno do EAD e um dos pontos negativos é a falta de sociabilidade real, não apenas virtual. Mas sem dúvidas é uma descoberta que colabora com ensino de muitos pessoas. Diante desses e outros dilemas, é colaborar a pesquisa que apresentada interesse em buscar os fatos que circulam as divergências entre a EAD e a educação presencial. Destacado que tanto as duas devem representar o aperfeiçoamento dos conhecimentos.

  4. Prezadas, muito bom o artigo de vocês, pois então, a educação a distância ainda tem muitas barreiras para enfrentar, uma delas é em relação a evasão e avaliação. O mercado está cheio de cursos a distância, muitos cursos sem uma boa referência, sendo necessário garimpar as instituições honestas e que oferecem um curso de qualidade afim de que o educando consiga realmente se inserir no mercado de trabalho. Penso que com toda essa oferta de cursos EAD faz-se necessário um órgão que avalie e cobre autenticidade e qualidade. Abraço

  5. A EAD e a educação presencial são modalidades distintas, que embora tenham o propósito em comum de formar com qualidade, possuem um certo distanciamento do ponto de vista metodológico, até mesmo pela pouca interação presencial da EAD. Parabenizo as autoras pelo ótimo artigo!

  6. Primeiramente parabenizo as autoras pelas reflexões possíveis a partir do artigo. A EAD e a educação presencial são modalidades distintas, que embora tenham o propósito em comum de formar com qualidade, possuem um certo distanciamento do ponto de vista metodológico, até mesmo pela pouca interação presencial da EAD. 🙂

  7. Parabéns Isabela e Juliana,
    Discutir formação de professores não é tarefa fácil, em especial, Educação a Distância e a Educação Presencial. Concordo com vocês que essas modalidades devem ser vistas para potencializar o desenvolvimento social.

  8. Oi Isabela e Juliana! Aguardo ansiosa o término da pesquisa de vcs. Vcs abordam questões muito relevantes, cuja discussão contribuirá muito para avançarmos nessa modalidade tão nova de ensino. A crítica à modalidade EaD está posta, a comparação dessa modalidade à presencial, evidencia muitas diferenças que são muitas vezes problemas, deficiências. Mas o fato é que a EaD está aí, é uma realidade que não podemos negligenciar. E tem atendido muitos alunos, em todo o país. Então, temos que ter a crítica e os problemas como motivadores para avanços, como vcs fazem ao propor essa pesquisa. Muito boa sorte no trabalho! Um abraço.

  9. Olá Isabela e Julina

    Primeiramente, parabéns pela produção do artigo.

    O tema tratado ainda gera muitas polêmicas, mas enquanto duas modalidades de ensino, ambas tem seus prós e contra, é evidente isto através de vários trabalhos aprofundados na área.

    Em relação a EAD, é uma modalidade realmente difícil no incio, falo por experiência própria, mas quando conseguimos sucesso nesta modalidade, estamos prontos para grandes desafios, pois é desenvolvido assiduidade, independência enquanto estudante, senso de urgência etc.

    Abraços

  10. Pingback: Conferências de especialistas sobre universidade, EaD e software livre são destaque na programação do UEADSL 2016/2 – CAED – Centro de Apoio à Educação a Distância

  11. Olás, Isabela e Juliana, tudo bem? O tema de que vocês tratam no artigo é, sem dúvida, de grande importância para a educação, em especial a EaD. Em determinado ponto, vocês indicam: “participação do aluno na própria formação”. Vocês estão se referindo à formação docente? Se sim, podem falar um pouquinho a respeito disso? No âmbito da EaD, o que estão pensando sobre a participação do aluno na formação docente? Abraço e parabéns pelo texto. Márcio.

  12. As modalidades de ensino presencial e EAD são possibilidades de grande valia para quem busca uma formação profissional. Penso que ambas possuem pontos positivos e negativos, embora disponibilizarem a mesma certificação. Sou graduada em Pedagogia e realizei meu curso de forma presencial e para mim foi de grande valia essa modalidade, pois atendeu as minhas expectativas e pude vivenciar momentos muito importantes para minha formação. As possibilidades da EAD atende aos indivíduos que encontram dificuldades de conciliar sua vida pessoal, profissional e estudantil, e penso que não é considerada menos relevante do que a presencial. Ambas modalidades são de extrema importância. Parabéns pelo artigo, realmente essa temática deve sempre estar em pauta!

  13. A leitura do artigo me fez refletir sobre “o que significa ser docente na educação superior?”. O diálogo sobre a Pedagogia presencial e a distância questiona sobre os encontros, os desencontros das práticas nestas duas modalidades e, especialmente sobre a docência. Cada vez mais o/a docente precisa buscar novas formas de ensinar/aprender, ter conhecimento específico, ter conhecimento metodológico, construir conhecimento com o aluno, planejar, ser dinâmico, ouvir, articular extensão, pesquisa e ensino, dentre outras. São diferentes elementos que passam a compor a “função docente”. Mas, será que os/as docentes do ensino superior são formados/as tendo como base todos os elementos citados? Uma questão inicial é a distância entre conhecimento teórico e conhecimento metodológico, ou seja, do “saber fazer”. Certamente este é um grande desafio, pois a própria LDB (Lei de Diretrizes e Bases da Educação nº 9.294/96 – Segue anexo) não contribui para que se altere esta situação, tendo em vista que em seu art.65 estabelece: “A formação docente, exceto para a educação superior, incluirá a prática de ensino de, no mínimo, trezentas e sessenta horas”.

    O projeto de pesquisa que o artigo propõe será importante para possibilitar uma reflexão sobre quais “os elementos” (não como uma receita) são importantes quando se pensa a docência a partir de um ambiente virtual de aprendizagem. Quais os encontros e desencontros entre a formação do/a docente da modalidade presencial e a distância?

    Outra questão citada no artigo, refere-se a relação entre o tempo e a docência. Se por um lado, o tempo da educação a distância é flexível para os/as discentes, qual a relação com o tempo docente diante de tempos diferentes dos/as discentes?

    Por último, considero essencial refletir que cada modalidade deve ser pensada em sua especificidade, com metodologias, planejamentos e avaliações que refletiam os sujeitos e tempos/espaços de cada uma.

    Abraços conectados!

    Symaira Nonato

  14. Olá Isabel e Juliana,

    Parabéns pelo artigo. Achei muito pertinente e como vocês acredito que ” e apesar das
    diferentes formas de desenvolvimento, a boa formação deve estar em qualquer
    ambiente de ensino”. A EaD ou Educação Presencial deve oferecer uma formação de qualidade aos seus aprendizes, principalmente os estudantes da Pedagogia que tem sobre seus ombros a responsabilidade de formar cidadãos desde a mais tenra idade.

    • Olá Geralda, obrigada
      Compartilho de sua afirmação: A qualidade no ensino em qualquer modalidade
      deve ser o objetivo principal. Abraços,
      Obrigada pela contribuição.

      Juliana Vieira

  15. Prezadas Isabela e Juliana,
    Concordo com vocês as modalidades presencial e a distância são relevantes e atendem a públicos distintos. Apostamos na integração e na troca. Atuando alguns anos nas duas modalidades tenho aprendido muito e penso que o docente enriquece quando desenvolve as capacidades para atuar nas duas modalidades. Parabéns!
    Suzana Gomes

    • Olá Professora Suzana

      Obrigada! Foi extremamente produtivo e enriquecedor participar deste trabalho e todas as contribuições acima contribuíram muito para ampliar a discussão sobre o ensino à distância, que é ampla e tênue.

      Juliana Vieira