Por uma pedagogia a serviço dos multiletramentos

O presente estudo discute a necessidade de se preparar os alunos para conviverem
no mundo contemporâneo multiletrado e atender às demandas em relação à leitura, à escrita, à diversidade cultural, provenientes do surgimento e expansão das tecnologias digitais. Metodologicamente, realizou-se uma revisão da literatura que expõe sobre a necessidade de as práticas escolares convergirem nesse sentido, analisando quais ferramentas são necessárias para isso. Objetiva-se, assim, mostrar que as práticas de ensino não podem ficar alheias à diversidade de linguagens e culturas dentro e fora da escola e devem ser direcionadas para que os alunos desenvolvam habilidades linguísticas e discursivas e uma postura crítica e analítica perante as diversidades.
Autores: Cláudia Ribeiro Rodrigues

Leia o ARTIGO COMPLETO aqui
Este artigo recebeu Menção Honrosa pela Comissão Científica do UEADSL2016.2

24 thoughts on “Por uma pedagogia a serviço dos multiletramentos

  1. OI, Claudia!
    Muito boa a forma como você abordou a questão dos multiletramentos.
    Hoje é indispensável que se trabalhe nas escolas todo tipo de letramento e aliado à diversidade, então, melhor ainda!
    O artigo ficou claro e objetivo.
    Parabéns!
    Abraços.
    Cris.

    • Obrigada, Cristiane. Realmente todas as práticas pedagógicas devem se convergir para que o aluno saiba fazer uso social do que aprende de maneira ética e democrática.

  2. Parabéns, Cláudia, pelo belo trabalho! Seu artigo é muito pertinente, e você faz considerações muito importantes. Realmente é imprescindível que a escola acompanhe os avanços tecnológicos, visto que os textos estão cada vez mais multimodais e direcionam para a necessidade de uma ressignificação das práticas de ensino.

    • Sim. Com o advento das novas tecnologias, as demandas do mundo mudaram e têm exigido dos sujeitos cada vez mais halibidades de leitura e de escrita e também capacidades de lidar com as diversidades de modo ético. É papel das escolas dar condições aos alunos de se tornarem cidadãos capazes de atenderem a essas exigências do mundo contemporâneo multiletrado.

    • Sim. Com o advento das novas tecnologias, as demandas do mundo mudaram e têm exigido dos sujeitos cada vez mais habilidades de leitura e de escrita e também capacidade de conviver com as diversidades de forma ética e respeitosa. É papel das escolas direcionar sua práticas de ensino para formar cidadãos capazes de atenderem às necessidades do mundo contemporâneo multiletrado.

  3. Comentário do parecerista Gilvan: Diante do contexto tecnológico da sociedade atual, quais são os principais desafios na promoção de uma pedagogia dos multiletramentos? Como superar esses obstáculos?

    • São vários os desafios para a promoção de uma pedagogia dos multiletramentos: acabar com preconceito e resistência de muitos professores em relação aos letramentos vernaculares que os alunos trazem para a escola e também em relação ao uso de tecnologias; implantar práticas de ensino que visem ao uso social da língua; tornar o uso de tecnologias uma constante nas escolas para que os alunos tenham condições de se inserirem uma uma sociedade cada vez mais tecnologizada, multiletrada. Acredito que para superar esses obstáculos são necessários investimentos nos cursos de formação de professores a começar pelos cursos de graduação e, depois, a oferta de cursos de formação continuada. Além disso, faz-se necessário também investimento na infraestrutura escolar, como aquisição de tecnologias para que os professores possam trabalhar de modo a desenvolver nos alunos as habilidades requeridas pelo mundo contemporâneo multiletrado.

  4. Parabéns, Cláudia!!! Em tempos de multiletramentos precisamos estar atentos às novas demandas apresentadas nas escolas pelos alunos. A escola, os professores, precisam estar preparados para lidar com as necessidades dos sujeitos, desenvolvendo as habilidades de leitura e escrita necessárias para que ele possa atuar em sua comunidade.

    • Sim. Creio que a atual crise no sistema educacional advém de um formato de ensino que não atende mais as demandas da atualidade e não é significativo para os alunos. Como disse no artigo, os projetos de letramentos que atendem às reais demandas atuais são instrumentos fundamentais para transformação e melhoria da educação.

  5. Parabéns pelo trabalho, Cláudia. Os pontos que você levantou em seu texto são muito importantes. Indubitavelmente as tecnologias de informação trouxeram novas formas de pensar a linguagem e por isso, na sala de aula, não se pode mais ficar limitado a um número restrito de gêneros textuais e desconsiderar a multimodalidade da linguagem e as práticas sociais dos alunos, principalmente com o advento da web 2.0. É certo que os alunos já dominam algumas habilidades como saber clicar, buscar um site…. mas ainda há muito o que aprender, principalmente no que diz respeito à produção de sentidos dos textos e a sala de aula é o contexto ideal para desenvolver essas habilidades de letramento.

  6. Parabéns ,Cláudia, pelo trabalho. Os pontos que você levantou são muito relevantes. Indubitavelmente as tecnologias de informação trouxeram transformações na vida das pessoas e isso exige novas formas de pensar a linguagem. Na sala de aula não é mais possível ficar restrito a um número limitado de gêneros textos textuais e desconsiderar a multimodalidade da linguagem e as práticas sociais dos alunos, principalmente com o advento da web 2.0. É certo que os alunos já detém algumas habilidades de busca e pesquisa na internet, mas muitos ainda precisam desenvolver outras habilidades que envolvem a produção de sentidos dos textos e a sala de aula é o ambiente ideal para desenvolver esse letramento.

    • Obrigada, Rosana. Acredito que devemos aproveitar as habilidades de busca e pesquisa na internet que os alunos já têm e partir dos letramentos que eles já possuem ao chegarem às escolas para então conduzi-los, orientá-los na expansão e desenvolvimento de outras habilidades ainda mais complexas, que demandam maior esforço cognitivo e que são fundamentais para relacionar-se no mundo atual.

  7. Oi, Cláudia, você disse tudo! Realmente, precisamos valorizar os saberes de nossos alunos e ao mesmo tempo é necessário ajudá-los a desenvolverem habilidades linguísticas e discursivas, levando em consideração as múltiplas linguagens do mundo globalizado. Mais que “ensinar conteúdos” integrantes de um currículo, precisamos desenvolver práticas pedagógicas que tenham como objetivo o letramento crítico. Isso sim fará diferença na nossa sociedade. Parabéns pelo excelente artigo! Abraços.

    • Obriaga, Flávia! Em um momento em que as formas de interação e a linguagem se reconfiguraram, as formas de apropriação e difusão do conhecimento precisam estar em consonância com essas mudanças. Dessa forma, as práticas escolares precisam estar voltadas para os multiletramentos, uma vez que há habilidades específicas para que o aluno possa lidar de forma eficiente com leitura e a escrita no mundo contemporâneo cada vez mais multiletrado.

  8. Excelente trabalho, Claudia.
    A escola contemporânea deve buscar meios para se inserir no contexto dos multiletramentos para que o ensino e a aprendizagem alcancem os seus objetivos junto aos alunos que contemplam a geração Alpha (ALLAN, 2015).

    • O avanço das novas tecnologias é um processo que não tende a retroceder. Então, a escola, enquanto uma das mais importantes agências de letramento, deve se adequar suas práticas de ensino a essa geração de nativos da era digital.

  9. A preparação dos alunos para viver no mundo contemporâneo é uma necessidade indispensável para o desenvolvimento integral do sujeito. As práticas de leitura e letramento são base para que o sujeito se situe, evoluindo em aspectos cognitivos bem como em seu desenvolvimento pessoal. Parabéns pelo artigo, que todos nós educadores possamos desenvolver mais pesquisas com essa temática de suma importância para conciliar a pedagogia voltada para o letramento e tecnologias educacionais.

    • Este é o meu desejo enquanto professora, Emanuelly. Que todos os educadores se tornem agentes de letramento com práticas voltadas para os multiletramentos e que tenhamos a oportunidade de compartilhar essas práticas para então melhorarmos a qualidade do ensino.

  10. Cláudia,
    Parabéns pelo excelente trabalho! Concordo plenamente com as suas colocações e destaco a necessidade de levantar essas questões no contexto da formação inicial e continuada de professores. Penso que precisamos de professores que topem o desafio de repensar a tradicional divisão disciplinar do conhecimento e que trabalhem as práticas de leitura e escrita voltadas para a formação crítica dos estudantes. Assim, esses sujeitos serão capazes de produzir novos sentidos e significados em uma sociedade multimodal que está em constante transformação.

    • Obrigada, Vanessa! Uma pedagogia voltada para multiletramentos só pode se concretizar por meio de projetos colaborativos que considerem as vivências dos alunos e que tenham a leitura e a escrita como eixo estruturador. Sendo assim, não faz sentido professores trabalhando solitariamente conteúdos desarticulados entre si e do cotidiano dos alunos. É preciso repensar a organização dos currículos, do tempo escolar, oferecer cursos de formação continuada, enfim, é preciso que todos estejam dispostos a contribuir para a formação do aluno de modo que ele possa se tornar um sujeito capaz de responder às necessidades do mundo atual.

  11. Claudia,
    O seu trabalho levanta os pontos principais dessa excelente teoria desenvolvida pelo Grupo de Nova Londres. Parabéns por trazer uma explicação clara e ressaltar a importância de se lutar por uma Pedagogia dos Multiletramentos. É, certamente, uma ideia que precisa ser difundida em uma formação continuada de professores de todas as áreas.
    Um abraço,
    Lorraine

  12. Oi, Lorraine! É isso mesmo: “professores de todas as áreas”. Há um equívoco muito grande ainda por parte de professores de outras disciplinas que, quando ouvem falar em letramentos, leitura, escrita, acham que isso é responsabilidade só do professor de Língua Portuguesa. Portanto, é preciso investir na formação dos professores, tanto na graduação quanto daqueles que já atuam, para que essa crença possa ser desconstruída e todos possam trabalhar com vistas aos letramentos, multiletramentos. Muito obrigada por sua participação!