Corporeidade, resiliência e a formação docente: contribuições relevantes

A pesquisa pretende explorar as possíveis contribuições da corporeidade e resiliência,
projetando uma formação total e integral do docente. Serão feitas breves reflexões bibliográficas dos benefícios que esses aspectos possuem na construção do docente, tendo em vista que a maioria não percebe o seu corpo e mente de forma completa.
Autores: Rebeca Freitas Ivanicska

Leia o ARTIGO COMPLETO aqui
Este artigo recebeu Menção Honrosa pela Comissão Científica do UEADSL2016.2

21 thoughts on “Corporeidade, resiliência e a formação docente: contribuições relevantes

  1. O texto consegue mostrar como pode ser ressignificada a formação do docente, e apresenta verdades como a realidade que o professor enfrenta, principalmente quando evidencia as demandas e exigências que se colocam para este sujeito formador, apontando a situação atual, na qual se dá tão pouca formação e estruturação a este ser que passar a ser apenas um informador desestruturado.

    • Esse era a ideia do texto, espero que tenha contribuído um pouco para você conhecer mais sobre o assunto!

  2. Prezada Rebeca,

    Seu artigo é de grande contribuição para nos alertar sobre a importância de repensarmos a necessidade de investimentos na busca pela saúde física e mental. A integralidade do nosso ser e a capacidade de ter um corpo que responde bem às emoções e interage com o mundo com base na empatia e na afetividade, certamente é o caminho mais curto para termos bom desempenho não só nas demandas da vida profissional, mas em toda ela.
    É fundamental reconhecer que nosso corpo, assim como o do outro, como possibilidade de interação com o mundo é um recurso fundamental não só para a atuação do professor, mas para todos profissionais cujas atividades dependem de um relacionamento direto com as pessoas.
    Suas referências bibliográficas também foram muito úteis para ampliar o acesso às informações sobre o tema.
    Um abraço!
    Maria de Fátima Pinto Coelho

    • Boa tarde, Maria de Fátima

      Gostei bastante do seu comentário, realmente a corporeidade e a resiliência são fundamentais para a nossa integralidade e que bom que as referências te auxiliaram.

      Um abraço.

  3. Olá, Rebeca

    Interessante o assunto abordado, a questão da resiliência no ambiente escolar é algo de extrema importância, como também na minha área que é administrativa, acredito que além de aceitar as coisas de bom grado, é aprender com elas de forma positiva.

    Sendo assim, adaptação ao novo é um momento que exige muita paciência, otimismo e esperança, criando novos conceitos, ou seja, está sempre em mente com as soluções e não com os problemas.

    Parabéns pela abordagem apresentada.

    Abraço

    • Boa tarde, Tardelly

      Achei bastante interessante sua colocação, realmente pode ser aplicado em qualquer área profissional, e atualmente, existe uma necessidade de termos essas características para podemos aprender de forma positiva.
      Obrigada pela sua contribuição!

      Abraço

  4. Prezadas, boa tarde!
    Parabéns pelo artigo, gostei muito do tema e achei inovador relacionar a corporeidade e resiliência na busca de uma formação total e integral do docente. Abraços

  5. Comentário do parecerista Gilvan: Sem dúvida, é importante discutir, no ambiente escolar, os aspectos relacionados à corporeidade e resiliência. Assim, considerando uma formação inicial do docente falha nessa questão e uma formação continuada também muito deficiente, como, então, promover esse debate, de modo a promover avanços e melhorias na docência? Quais são os principais obstáculos? Como superá-los?

    • Boa tarde,

      Realmente, existem alguns obstáculos que atrapalham o desenvolvimento do docente, entre os principais, diria que é a falta de condições de trabalho, pois acaba englobando todos os demais. É necessário que haja mais diálogo em relação a esse assunto no âmbito escolar, na comunidade e na área acadêmica, para se promover avanços e melhorias é preciso que haja discussões e projetos que visem o bem estar do profissional, desenvolvendo de maneira mais significativa as nossas capacidades e habilidades.

  6. Rebeca, Boa Tarde!

    Concordo que a resiliência é uma palavra que deveria ser de conhecimento de mais pessoas. Mais do que isso, deveria ser praticada.
    Seu Artigo abre inumeras possibilidades de reflexão, sendo de grande valia para academicos e profissionais de qualquer área, pois esse tema nao se faz somente necessario no ambiente escolar,sendo muito louvvel a sua apreciação na sociedade.

    Continue abordando temas de grande relevancia, mas pouco explorados.

    Grata, Deborah .

  7. Rebeca, bom dia!
    Muito bom o seu artigo!

    Uma importante reflexão para o professor. A formação docente vai além do conhecimento específico de uma área, e as questões abordadas em seu artigo pode melhorar a qualidade de vida profissional.

    Abraço.

    Att.,
    Renata

    • Boa tarde, Renata

      Obrigada, esse era o intuito do texto, trazer algumas observações em relação a qualidade de vida do profissional e como alguns aspectos fazem a diferença.

  8. Parabéns pelo artigo. Na minha opinião este tema é tão importante que deveria fazer parte do currículo escolar dos futuros professores deste país. A realidade educacional brasileira necessita de profissionais que saibam lidar com tais dilemas. Na educação, e principalmente, na relação professor e aluno, a resiliência daria a aprendizagem uma nova perspectiva.
    Parabéns pela abordagem.
    att.,
    Izabel

    • Boa noite, Izabel

      Obrigada por compartilhar sua opinião, também acho de suma importância que este tema faça parte do currículo escolar, já existem algumas universidades que estão incluído, o que se torna um avanço para o nosso sistema educacional, porém ainda existe uma longa caminhada pela frente.

  9. Boa noite, foi com muito prazer, e até com uma grata supresa a leitura de um artigo bem elaborado, com clareza. Sendo um bom tópico de discussao nas facudades, e na formação dos futuros professores.Acredido do que o texto traz um novo enfoque na relação Professor/Aluno/Pais. Contribuindo para uma educaçao de qualidade. Aproveito o ensejo para parabenizar a autora do texto pela sensibilidade ao colocar o tema.Espero novos artigos com a mesma qualidade.

    • Boa noite, Daniel

      Obrigada por participar, seu comentário foi muito pertinente e de extrema valia, concordo com a sua colocação, com certeza contribui para uma educação de qualidade e uma relação significativa entre professor/aluno/pais.

  10. Parabéns pelo artigo! Eu sou Administrador e também professor de matématica! na minha visão o artigo ele contribui para uma reflexão da necessidade de busca constante pela inovação do profissional professor. Buscando compreender ele como um ser biopsicossocial, que tem as suas necessidades e para isso precisa de toda uma estrutura adequada para melhor desenvolver o seu trabalho! compreender a figura do professor sobre esse prisma, eleva a educação por só a um melhor nível! como professor da rede pública de educação, o que percebo pelas escolas que lecionei, que são fornecidas estruturas precárias que dificultam o desenvolvimento e até motivação do professor! acredito que o problema seja muito mais profundo, como por exemplo, relacionado a fatores culturais muito difícil de se romper! Mais uma vez, parabéns pelo artigo e pela contribuição!

  11. Bom artigo. Apesar da resiliência ser necessária a todos, os diretamente envolvidos com a educação e a saúde precisam trabalhá-la ainda mais.Não só professores como técnico-administrativos necessitam trabalhar a mente e o corpo fora do trabalho com terapias, yoga ou atividades físicas, para minimizar o desgaste físico e emocional a que são expostos diariamente.

  12. Muito interessante seu artigo Rebeca. A possibilidade de aplicação, de fato, é vasta, como muitos já postarem aqui. Confesso que, no decorrer da leitura, fiquei avaliando meu comportamento diário na minha vida profissional e acadêmica e percebi o quanto estou submissa num processo de produção e consumo sem me atentar para outros valores importantes que, certamente, contribuiriam para um resultado e uma vivência mais satisfatória. No caso dos docentes, vale destacar que cada profissional carrega consigo uma bagagem, seja das suas próprias vivências ou das trocas resultantes do ofício, que de uma maneira ou outra, também afeta (positiva ou negativamente) este processo de resiliência e corporeidade no ambiente escolar.