Zona de desenvolvimento “distancial” por meio de tutoriais: caminhos para a autonomia na educação a distância

Atualmente cursos à distância e semi-presenciais têm sido criados a fim de possibilitar a flexibilização de horários para capacitação/estudo. Entretanto, a exigência da autonomia para o acompanhamento de cursos não-presenciais, bem como semi-presenciais, é grande e nem sempre o aluno que opta por esta modalidade de curso está consciente disso. Sendo assim, este trabalho visa refletir, por meio de entrevista semiestruturada, a experiência de alunos de três cursos à distância, sendo o primeiro uma Graduação em Licenciatura em Letras Português/Inglês, o segundo uma Pós-Graduação em nível de Especialização no Ensino de Línguas e o terceiro uma Pós Graduação em nível de Especialização em Literatura em Língua Inglesa. Ademais, objetivamos também refletir de que maneira a utilização de tutoriais e vídeo tutoriais podem ter facilitado a autonomia destes alunos. Como suporte, lançaremos mão das teorias de motivação e autonomia na aprendizagem, além da zona de desenvolvimento proximal.
Autores: Breno de Campos Belém
Carlos Adalberto dos Santos Cabral

Leia o ARTIGO COMPLETO aqui

overlord59-tux-neo-matrixEste artigo recebeu Menção Honrosa pela Comissão Científica do UEADSL2015.1

21 thoughts on “Zona de desenvolvimento “distancial” por meio de tutoriais: caminhos para a autonomia na educação a distância

  1. O trabalho é relevante, traz contribuições para os estudos da Educação a Distância e também para avanços no estudo do conceito de Zona de Desenvolvimento Proximal, de Vygotsky.

  2. Prezados,

    Autores Breno de Campos Belém e Carlos Adalberto dos Santos Cabral,

    Acredito na EAD por meio de tutorais e no potencial do ensino à distância. Destaco outros aspectos positivos do ensino através da EAD como:

    Conforto;

    Qualidade de vida;

    Evita desgaste no trânsito e possíveis atrasos, diminui distância;

    Potencializa novas aprendizagens;

    Evita o desgaste físico na época de chuva, trânsito etc;

    Otimiza tempo;

    Favorece a criação da autonomia e responsabilidade para com o estudo próprio.

    E inúmeros outros benefícios e além disso o estudante pode verificar se estes cursos são autorizados e reconhecidos pelo próprio MEC, informando-se sobre a seriedade da instituição.

    Além disso, favorece o letramento digital e contribui para o desenvolvimento da zona de desenvolvimento proximal como vocês apontam. A abordagem é de grande relevância para a sociedade, dado que a EAD é um instrumento para aumentar o nível de formação dos brasileiros.

    Prezados,

    Autores Breno de Campos Belém e Carlos Adalberto dos Santos Cabral,

    Acredito na EAD por meio de tutorais e no potencial do ensino à distância. Destaco outros aspectos positivos do ensino através da EAD como:

    Conforto;

    Qualidade de vida;

    Evita desgaste no trânsito e possíveis atrasos, diminui distância;

    Potencializa novas aprendizagens;

    Evita o desgaste físico na época de chuva, trânsito etc;

    Otimiza tempo;

    Favorece a criação da autonomia e responsabilidade para com o estudo próprio.

    E inúmeros outros benefícios e além disso o estudante pode verificar se estes cursos são autorizados e reconhecidos pelo próprio MEC, informando-se sobre a seriedade da instituição.

    Além disso, favorece o letramento digital e contribui para o desenvolvimento da zona de desenvolvimento proximal como vocês apontam. A abordagem é de grande relevância para a sociedade, dado que a EAD é um instrumento para aumentar o nível de formação dos brasileiros.

    Prezados,

    Autores Breno de Campos Belém e Carlos Adalberto dos Santos Cabral,

    Acredito na EAD por meio de tutorais e no potencial do ensino à distância. Destaco outros aspectos positivos do ensino através da EAD como:

    Conforto;

    Qualidade de vida;

    Evita desgaste no trânsito e possíveis atrasos, diminui distância;

    Potencializa novas aprendizagens;

    Evita o desgaste físico na época de chuva, trânsito etc;

    Otimiza tempo;

    Favorece a criação da autonomia e responsabilidade para com o estudo próprio.

    E inúmeros outros benefícios e além disso o estudante pode verificar se estes cursos são autorizados e reconhecidos pelo próprio MEC, informando-se sobre a seriedade da instituição.

    Além disso, favorece o letramento digital e contribui para o desenvolvimento da zona de desenvolvimento proximal como vocês apontam. A abordagem é de grande relevância para a sociedade, dado que a EAD é um instrumento para aumentar o nível de formação dos brasileiros.

    Prezados,

    Autores Breno de Campos Belém e Carlos Adalberto dos Santos Cabral,

    Acredito na EAD por meio de tutorais e no potencial do ensino à distância. Destaco outros aspectos positivos do ensino através da EAD como:

    Conforto;

    Qualidade de vida;

    Evita desgaste no trânsito e possíveis atrasos, diminui distância;

    Potencializa novas aprendizagens;

    Evita o desgaste físico na época de chuva, trânsito etc;

    Otimiza tempo;

    Favorece a criação da autonomia e responsabilidade para com o estudo próprio.

    E inúmeros outros benefícios e além disso o estudante pode verificar se estes cursos são autorizados e reconhecidos pelo próprio MEC, informando-se sobre a seriedade da instituição.

    Além disso, favorece o letramento digital e contribui para o desenvolvimento da zona de desenvolvimento proximal como vocês apontam. A abordagem é de grande relevância para a sociedade, dado que a EAD é um instrumento para aumentar o nível de formação dos brasileiros.

    • Boa noite Sâmia. Obrigado pela sua participação. Também acreditamos nessas vantagens. Entretanto, precisamos pensar também em algumas limitações que tanto a EAD quanto cursos presenciais possuem. As que você pontuou em seu comentário são bem relevantes e concordamos com a possibilidade que a EAD tem de criar condições pra promoções dessas atitudes no aprendente. A EAD tem se mostrado como uma possibilidade emergente e tem conquistado bastante “adeptos”. Tanto eu quanto o Breno já fomos sujeitos participantes de cursos EAD, então sabemos bem como é a realidade dessa modalidade de ensino. Esperamos ter contribuído para o seu conhecimento compartilhando esta pesquisa.
      Atenciosamente,
      Carlos.

    • Prezada Sâmia,

      Agradeço seus comentários. Pra fomentar um debate, vou comentar em cima do seu comentário para que eu possa pontuar meu ponto de vista.

      Conforto: creio que pode ser um desconforto caso o aluno, principal interessado na formação EAD não tenha o suporte necessário, como aponta nosso estudo.

      Qualidade de vida: não compreendi muito bem este ponto, mas creio que esteja ligado ao conforto. As pessoas têm mais qualidade de vida quando não precisam se deslocar e enfrentar trânsitos absurdos para chegar à instituição de ensino que está matriculada.

      Evita desgaste no trânsito e possíveis atrasos, diminui distância: em relação à diminuir distância, às vezes, pode aumentar, como relatam os alunos que dizem sentir falta da presença do professor.

      Potencializa novas aprendizagens: eu creio que potencializar é muito forte, creio que esta modalidade de ensino pode criar condições para novas aprendizagens.

      Evita o desgaste físico na época de chuva, trânsito etc: dependendo da região que o aluno vive e realiza o curso, a chuva pode ser um desgaste. Onde eu moro, por exemplo, se chover, ficamos sem internet por um bom tempo. Deste modo, a chuva gera mais desgaste do que se eu me deslocasse para as instituições de ensino que ficam, no máximo a 5 minutos da minha casa.

      Otimiza tempo:isso, de fato, ocorre caso o aluno não tenha as mesmas dificuldades que tenho no que diz respeito ao acesso a internet. Por exemplo, só estou conseguindo responder aos seus comentários agora, pois fiquei sem acesso a internet o dia inteiro.

      Favorece a criação da autonomia e responsabilidade para com o estudo próprio: aqui creio também que o termo seria pode criar condições.

      E inúmeros outros benefícios e além disso o estudante pode verificar se estes cursos são autorizados e reconhecidos pelo próprio MEC, informando-se sobre a seriedade da instituição: nem sempre o aluno tem conhecimento de seus direitos, por falta de instrução. Alguns acabam se matriculando sem saber se realmente a instituição é boa e sem conhecer, ao certo, a metodologia que será utilizada ao longo do curso.

      Além disso, favorece o letramento digital e contribui para o desenvolvimento da zona de desenvolvimento proximal como vocês apontam. A abordagem é de grande relevância para a sociedade, dado que a EAD é um instrumento para aumentar o nível de formação dos brasileiros: neste ponto, concordo 100%. 🙂

      Obrigado pela sua participação.

      Breno.

  3. Prezados,

    Autores Breno de Campos Belém e Carlos Adalberto dos Santos Cabral,

    Acredito na EAD por meio de tutorais e no potencial do ensino à distância. Destaco outros aspectos positivos do ensino através da EAD como:

    Conforto;

    Qualidade de vida;

    Evita desgaste no trânsito e possíveis atrasos, diminui distância;

    Potencializa novas aprendizagens;

    Evita o desgaste físico na época de chuva, trânsito etc;

    Otimiza tempo;

    Favorece a criação da autonomia e responsabilidade para com o estudo próprio.

    E inúmeros outros benefícios e além disso o estudante pode verificar se estes cursos são autorizados e reconhecidos pelo próprio MEC, informando-se sobre a seriedade da instituição.

    Além disso, favorece o letramento digital e contribui para o desenvolvimento da zona de desenvolvimento proximal como vocês apontam. A abordagem é de grande relevância para a sociedade, dado que a EAD é um instrumento para aumentar o nível de formação dos brasileiros.

    • Boa noite Sâmia. Obrigado pela sua participação. Também acreditamos nessas vantagens. Entretanto, precisamos pensar também em algumas limitações que tanto a EAD quanto cursos presenciais possuem. As que você pontuou em seu comentário são bem relevantes e concordamos com a possibilidade que a EAD tem de criar condições pra promoções dessas atitudes no aprendente. A EAD tem se mostrado como uma possibilidade emergente e tem conquistado bastante “adeptos”. Tanto eu quanto o Breno já fomos sujeitos participantes de cursos EAD, então sabemos bem como é a realidade dessa modalidade de ensino. Esperamos ter contribuído para o seu conhecimento compartilhando esta pesquisa.
      Atenciosamente,
      Carlos.

    • Prezada Sâmia,

      Agradeço seus comentários. Pra fomentar um debate, vou comentar em cima do seu comentário para que eu possa pontuar meu ponto de vista.

      Conforto: creio que pode ser um desconforto caso o aluno, principal interessado na formação EAD não tenha o suporte necessário, como aponta nosso estudo.

      Qualidade de vida: não compreendi muito bem este ponto, mas creio que esteja ligado ao conforto. As pessoas têm mais qualidade de vida quando não precisam se deslocar e enfrentar trânsitos absurdos para chegar à instituição de ensino que está matriculada.

      Evita desgaste no trânsito e possíveis atrasos, diminui distância: em relação à diminuir distância, às vezes, pode aumentar, como relatam os alunos que dizem sentir falta da presença do professor.

      Potencializa novas aprendizagens: eu creio que potencializar é muito forte, creio que esta modalidade de ensino pode criar condições para novas aprendizagens.

      Evita o desgaste físico na época de chuva, trânsito etc: dependendo da região que o aluno vive e realiza o curso, a chuva pode ser um desgaste. Onde eu moro, por exemplo, se chover, ficamos sem internet por um bom tempo. Deste modo, a chuva gera mais desgaste do que se eu me deslocasse para as instituições de ensino que ficam, no máximo a 5 minutos da minha casa.

      Otimiza tempo:isso, de fato, ocorre caso o aluno não tenha as mesmas dificuldades que tenho no que diz respeito ao acesso a internet. Por exemplo, só estou conseguindo responder aos seus comentários agora, pois fiquei sem acesso a internet o dia inteiro.

      Favorece a criação da autonomia e responsabilidade para com o estudo próprio: aqui creio também que o termo seria pode criar condições.

      E inúmeros outros benefícios e além disso o estudante pode verificar se estes cursos são autorizados e reconhecidos pelo próprio MEC, informando-se sobre a seriedade da instituição: nem sempre o aluno tem conhecimento de seus direitos, por falta de instrução. Alguns acabam se matriculando sem saber se realmente a instituição é boa e sem conhecer, ao certo, a metodologia que será utilizada ao longo do curso.

      Além disso, favorece o letramento digital e contribui para o desenvolvimento da zona de desenvolvimento proximal como vocês apontam. A abordagem é de grande relevância para a sociedade, dado que a EAD é um instrumento para aumentar o nível de formação dos brasileiros: neste ponto, concordo 100%. 🙂

      Obrigado pela sua participação.

      Breno.

  4. Artigo: Zona de desenvolvimento distancial: por meio de tutoriais: caminhos para a autonomia na educação a distância

    Prezados,
    Autores Breno de Campos Belém e Carlos Adalberto dos Santos Cabral,

    Acredito na EAD por meio de tutorais e no potencial do ensino à distância. Destaco outros aspectos positivos do ensino através da EAD como:

    Conforto;
    Qualidade de vida;
    Evita desgaste no trânsito e possíveis atrasos, diminui distância;
    Potencializa novas aprendizagens;
    Evita o desgaste físico na época de chuva, trânsito etc;
    Otimiza tempo;
    Favorece a criação da autonomia e responsabilidade para com o estudo próprio.
    E inúmeros outros benefícios e além disso o estudante pode verificar se estes cursos são autorizados e reconhecidos pelo próprio MEC, informando-se sobre a seriedade da instituição.
    Além disso, favorece o letramento digital e contribui para o desenvolvimento da zona de desenvolvimento proximal como vocês apontam. A abordagem é de grande relevância para a sociedade, dado que a EAD é um instrumento para aumentar o nível de formação dos brasileiros.

    • Boa noite Sâmia. Obrigado pela sua participação. Também acreditamos nessas vantagens. Entretanto, precisamos pensar também em algumas limitações que tanto a EAD quanto cursos presenciais possuem. As que você pontuou em seu comentário são bem relevantes e concordamos com a possibilidade que a EAD tem de criar condições pra promoções dessas atitudes no aprendente. A EAD tem se mostrado como uma possibilidade emergente e tem conquistado bastante “adeptos”. Tanto eu quanto o Breno já fomos sujeitos participantes de cursos EAD, então sabemos bem como é a realidade dessa modalidade de ensino. Esperamos ter contribuído para o seu conhecimento compartilhando esta pesquisa.
      Atenciosamente,
      Carlos.

    • Prezada Sâmia,

      Agradeço seus comentários. Pra fomentar um debate, vou comentar em cima do seu comentário para que eu possa pontuar meu ponto de vista.

      Conforto: creio que pode ser um desconforto caso o aluno, principal interessado na formação EAD não tenha o suporte necessário, como aponta nosso estudo.

      Qualidade de vida: não compreendi muito bem este ponto, mas creio que esteja ligado ao conforto. As pessoas têm mais qualidade de vida quando não precisam se deslocar e enfrentar trânsitos absurdos para chegar à instituição de ensino que está matriculada.

      Evita desgaste no trânsito e possíveis atrasos, diminui distância: em relação à diminuir distância, às vezes, pode aumentar, como relatam os alunos que dizem sentir falta da presença do professor.

      Potencializa novas aprendizagens: eu creio que potencializar é muito forte, creio que esta modalidade de ensino pode criar condições para novas aprendizagens.

      Evita o desgaste físico na época de chuva, trânsito etc: dependendo da região que o aluno vive e realiza o curso, a chuva pode ser um desgaste. Onde eu moro, por exemplo, se chover, ficamos sem internet por um bom tempo. Deste modo, a chuva gera mais desgaste do que se eu me deslocasse para as instituições de ensino que ficam, no máximo a 5 minutos da minha casa.

      Otimiza tempo:isso, de fato, ocorre caso o aluno não tenha as mesmas dificuldades que tenho no que diz respeito ao acesso a internet. Por exemplo, só estou conseguindo responder aos seus comentários agora, pois fiquei sem acesso a internet o dia inteiro.

      Favorece a criação da autonomia e responsabilidade para com o estudo próprio: aqui creio também que o termo seria pode criar condições.

      E inúmeros outros benefícios e além disso o estudante pode verificar se estes cursos são autorizados e reconhecidos pelo próprio MEC, informando-se sobre a seriedade da instituição: nem sempre o aluno tem conhecimento de seus direitos, por falta de instrução. Alguns acabam se matriculando sem saber se realmente a instituição é boa e sem conhecer, ao certo, a metodologia que será utilizada ao longo do curso.

      Além disso, favorece o letramento digital e contribui para o desenvolvimento da zona de desenvolvimento proximal como vocês apontam. A abordagem é de grande relevância para a sociedade, dado que a EAD é um instrumento para aumentar o nível de formação dos brasileiros: neste ponto, concordo 100%. 🙂

      Obrigado pela sua participação.

      Breno.

  5. Olá, Carlos e Breno!

    Achei muito interessante a investigação de vocês. Realmente chama bastante a atenção a questão da motivação intrínseca ao aprendiz, muito mais do que a motivação extrínseca, na minha opinião (embora ambas sejam muito importantes, é claro). Acredito mesmo que isso deveria ocupar um espaço maior nos debates entre os educadores.
    Parabéns pelo trabalho!

    • Olá Tatiana,

      Obrigado por seu comentário e participação. A maioria dos autores que tratam da motivação na aprendizagem também acredita que a motivação intrínseca é a mais importante, mas que a extrínseca também pode auxiliar na aprendizagem. No que se refere à EAD, acreditamos que ainda haja muito estudo a ser feito no que diz respeito a essa (não tão) nova modalidade de ensino e aprendizagem.

      Carlos.

    • Olá Tatiana,

      Como estudioso e pesquisador da motivação na aprendizagem (intrínseca e extrínseca), mais especificamente na aprendizagem de língua inglesa, creio que as duas motivações são importantes no sentido de ajudar o aluno a aprender melhor e a ter uma aprendizagem mais prazerosa.

      Obrigado pela sua participação.

      Breno.

  6. Olá, Carlos e Breno. Muito interessante o trabalho de vocês.
    Ficou claro pra mim que a motivação do aluno é muito importante e ela está relacionada a vários fatores, mas principalmente ao desenvolvimento da autonomia. O estudo demonstrou também que a solidariedade dos colegas, a criação de uma comunidade é um fator importante. Estudar a distância não significa necessariamente estudar isolado. Tive uma experiência numa pós a distância na qual a formação de uma comunidade (no facebook) foi fundamental para a sustentação do curso (que deixava a desejar, infelizmente).
    Por fim, acredito que o tutor é um profissional muito importante e que, atuando da forma adequada (mediando processos, auxiliando os alunos), poderia ter contribuído para reduzir as dificuldades dos alunos durante os cursos analisados. Abraço.

    • Olá Cristina,

      Nosso trabalho apresenta uma proposta em que acreditamos na autonomia como via de mão dupla com a motivação. Em se tratando de EAD, temos a convicção que são duas coisas que realmente precisam ocorrer, caso contrário os alunos irão se desmotivando e desistindo do curso. Já ouvi relatos de alunso que desistem de cursos EAD pelo fato de não terem o suporte necessário, o que chamamos neste artigo de ZDD. A convivência em grupo, como você aponta a comunidade do FACEBOOK, serviu como ZDD, pois provavelmente neste grupo vocês compartilhavam conhecimento também, ajudavam uns aos outros. Isso é muito importante para quem se disponibliza a cursar um curso nesta modalidade. Por fim, gostaríamos de agradecer pelo seu comentário em nosso trabalho.

      Breno e Carlos.

  7. Breno e Carlos,
    Muito interessante a pesquisa de vocês. Criatividade no uso da categoria de Vygotsky. Atuo como pesquisadora e professora em um Curso de Pedagogia EaD e concordo com vocês. A EaD ressignifica os tempos e os espaços mas o aluno terá que desenvolver muitas habilidades e competências para realizar um curso com qualidade, entre elas a autonomia.
    Parabéns! O artigo de vocês é inspirador.
    Suzana Gomes

    • Obrigado Suzana.

      Verdade o que você falou. O aluno que entra em um curso na modalidade EAD e não compreende que um dos requisitos (não vou nem dizer básico, mas) essencial é a autonomia. Se ele não for maduro e autônomo o suficiente pra explorar o que é necessário e realizar pesquisas para aprender, dificilmente terá sucesso em seu curso.

      Obrigado por comentar em nosso trabalho.

      Carlos e Breno.

  8. Parabéns pelo artigo, Carlos e Breno. O assunto é muito interessante e cada vez mais relevante, considerando a expansão pela qual o ensino à distância tem passado na atualidade. Não obstante os inegáveis benefícios advindos desse sistema de aprendizado, minha percepção sobre o assunto é de que a autonomia e a motivação do estudante são muitas vezes prejudicadas pela deficiência do suporte que as instituições de ensino põem à disposição dos alunos que fazem os cursos remotamente. Em que medida vocês consideram que as instituições de ensino são responsáveis pela baixa motivação observada nos cursos à distância?

  9. Olá Bruno,

    Não atribuimos apenas às instituições de ensino como sendo as responsávels pela (des)motivação do aluno nos cursos à distância. Há diversos fatores, não apenas um. Pode ser que a instituição não seja promotora da motivação e nem dê suporte para que a motivação seja protegida. Apesar disso tudo, creio que as instituições de ensino como um todo cobram apenas a produtividade quantitativa do professor/tutor que está mediando grupos/cursos e não pensam na questão interpessoal. Há grupos de cursos à distância que sequer tem encontros presenciais e quando têm, os participantes acabam sendo pessoas estranhas umas para as outras. Creio que a sala de aula virtual deve ser semelhante à presencial, pois a grande maioria dos brasileiros passam por um sistema em que estão acostumados ao contato presencial. Por isso propomos essa nova nomenclatura: Zona de Desenvolvimento Distancial (ZDD), pois acreditamos que o grande diferencial de cursos EAD está na proposta de o presencial se fazer presente no distancial. Em nossa concepção, experiência e comprovação pelos dados coletados, a grande insatisfação dos alunos que se propoem a estudar nesta modalidade é justamente a ausência da ZDD.
    Esperamos ter respondido sua pergunta.
    Carlos e Breno.