Da mídia impressa ao hipertexto: o uso do blog, vídeo e editor de histótria em quadrinhos como estratégia de leitura e escrita

RESUMO: O presente estudo tem como objetivo abordar experiências didático-pedagógicas em leitura e escrita de alunos do Ensino Fundamental da Escola Estadual de Ensino Médio Emílio Alves Nunes, situada no município de Herveiras, interior do Rio Grande do Sul, a partir de textos manipulados em ambientes virtuais chamado de hipertextos exemplificados através do uso do Blog, Vídeo e um editor de história em quadrinhos. Como metodologia e desenvolvimento criou-se uma oficina de textos no turno inverso em que participaram voluntariamente alunos do 6º ao 9º ano do ensino fundamental embasado por três planos de aulas em leitura e produção textual confeccionados em meio impresso (copiado nos cadernos) e aplicada em meio digital (computador, filmadora e conexão pela internet) para os alunos no laboratório de informática. Conclui-se nessa pesquisa a estratégia promovida pelo professor em fazer os estudantes ficarem mais atraídos e competentes nas práticas de leitura e produção textual da disciplina de língua portuguesa.
Autor: Juliano Paines Martins (PPGL/UNISC e PROSUP/CAPES)
Adriana Soares Pereira

Leia o ARTIGO COMPLETO aqui

Este trabalho recebeu MENÇÃO HONROSA no UEADSL2014.2!

20 thoughts on “Da mídia impressa ao hipertexto: o uso do blog, vídeo e editor de histótria em quadrinhos como estratégia de leitura e escrita

  1. Bom dia! gostaria de saudar a todas e todos os participantes do UEADSL 2014.2. Ótimos trabalhos, todos bem fundamentados nas trilhas. Principalmente um parabéns à Prof.ª Dr. Cristina Fricke Matte, comissão e organização. Ótimo debates a todas e todos. abraço! Juliano e Adriana.

  2. Caros participantes, em nossa bibliografia houve um erro de formatação, pois não saiu o nome da autora Carla Viana Coscarelli do texto “Espaços Hipertextuais”.

  3. Boa tarde, seu trabalho bem estruturado que tem uma vertente de trabalhar ” a mídia impressa ao hipertexto” que uma possibilidade usa-se de ferramentas com o blog, vídeo e editor de quadrinhos na perspectiva de desenvolver a escrita e a leitura, além de maneira de relacionar o teórico paralelo a prática. Destaco o seguinte trecho: “O mediar às tecnologias educativas na sala de aula que se deu através da manipulação do sujeito com o seus objetos (hipertextos) funcionaram como ambientes de ensino aprendizagem.” Inclusive parabéns pelo rico trabalho e também pelo excelente baseamento teórico. Isto, refletir num interação entre aluno e professor e vice-versa.

    • Obrigado Neiva! esse trabalho foi realizado durante um período e desde então já o modifiquei várias vezes, isto é, “reutilizei as mídias”. Atualmente uma turma de oitavo ano escreveu um roteiro para um filme. Nessa atividade trabalhamos a narrativa ficcional que tanto se vislumbra na literatura, por que não fazê-los deles escritores? Após isso começaram as filmagens, eu fico mais nervoso do que eles, mas quando os vejo em plena atividade “voando as tranças”, como diz o ditado aqui do sul, tenho a certeza que a escrita, a produção textual e principalmente a criatividade (essencial para o “jogo de cintura” da vida) farão com com que cada vez mais se apropriam das práticas que eles, desde a tenra idade, buscam na escola, que entender o é leem e o que escrevem. Seguimos!!!

    • Oi Thomaz! é que pretendemos enquanto professores, nos superarmos cada vez mais para agregar as Tecnologias da Informação e da Comunicação para dentro da sala de aula. Seguimos!!!

  4. A perspectiva de utilização de mídias educativas por si só já propõe um aprendizado diferenciado, mais ainda, se nesse contexto a produção de textos ser der em espaços diferenciados onde os alunos possam praticar toda a sua criatividade, como nessa “oficina criativa de textos”. Parabéns ao grupo!

    • Obrigado Valéria! uma ideia inicialmente pautada para sairmos da sala de aula tradicional, no entanto, acabou sendo ema parceria, pois, os alunos/as saiam da sala de aula com suas produções em meio impresso e as reproduziam em objetos virtuais, diferenciados dos cadernos, do quadro…com escritas que se movimentavam, podiam disponibilizar para outros alunos/as, de outras partes do Brasil e do mundo. Esse foi o saldo da nossa oficina, unir trabalho com criatividade, ludicidade e produção. Seguimos!!!

  5. Interesso-me muito pela área da Educação. Vocês conquistaram a minha admiração com esse tema… Fantástico!

    • Obrigado Márcia! se puder aplicar a oficina em tuas aulas irás ver o quão diferente fica. Mas não esqueça, sempre começa a produção em sala de aula e depois os alunos vão a campo, ou seja fazer vídeo com seus textos, publicar em blogs, e até fazerem histórias em quadrinhos. Tem muitos softwares que nos apoiam nessas mediações das tecnologias na sala de aula. Seguimos!!!

  6. Não sei se foi displicência minha de leitor, ou se isso realmente está um pouco confuso no seu texto. Pode ser também que eu tenha tido uma interpretação equivocada. Por diversas vezes eu pensei no termo “Blog” como gênero textual, no qual derivou da palavra WebLog, que surgiu como um diário online em que as pessoas postavam todos os dias algo relacionado ao que fizeram no dia. Outrora percebi que o “Blog” estava sendo tratado como uma mídia de hipertexto, o que seria considerado como um suporte, e não como gênero/hipertexto. Será que me equivoquei?

  7. Oi Breno! Você não se equivocou, não! Se você postar um texto em um blog o mesmo automaticamente “lincado”, ou seja, o mesmo será um hipertexto. Aliás o próprio texto impresso é um hipertexto, pois cada palavra de um texto possui um significado dicionarizado, o que leva o leitor a outros textos. O hipertexto é isso, um conjunto de textos, sempre providos de um “hipotexto” (que podemos chamar de texto matriz) que dão ao leitor possibilidades de saltos para outros textos filiais. O Hipertexto é sim um gênero textual que veio ser considerado desde que as tecnologias da informação e da comunicação assumiram como suportes aos textos impressos na sala de aula como já existentes. Muitos autores já o tratam de gênero textual, como os professores Luiz Antônio Marcuschi, Carla Viana Coscarelli e até o crítico francês Gerárd Genette. Então o Blog (e todas as mídias que levam para outros textos) é gênero, é hipertexto e também suporte. Seria interessante se pudesse ler os autores citados, pois sanaria suas dúvidas sobre hipertexto. Seguimos!!!

  8. Considero muito pertinente aos dias atuais a proposta , pois é isto que estamos precisando
    na nova educação de alunos porque promove aos alunos a convivência de ler e produzir seus
    textos em espaços diferenciados do acostumado caderno e da sala de aula regular . Ao se
    propor a apropriação de história em quadrinhos , hipertextos e vídeo aliado também ao la-
    boratório de informática é uma conjugação que não falha no despertar o interesse dos alunos.

    • Obrigado Wagner pelas reflexões, considero-as, como todas que aqui postaram muito produtivas para que eu continue “lincando” os hipretextos através de plataformas virtuais que funcionam como ambiente de ensino aprendizagem. Tudo para promover e melhorar as práticas de leitura e escrita na sala de aula. Seguimos!

  9. Muito interessante o tema abordado! A adequação do ensino aos ambientes tecnológicos permite um escola mais atrativa aos olhos do aluno!

    • Obrigado Hélida! nós professores tentamos propor algo que atraia nossos alunos…as mídias são parceiras e ajudam a socializar as práticas de leitura e escrita. Seguimos!!!

  10. Olá, Juliano e Adriana!

    Parabéns pelo trabalho. Adorei a proposta de vocês e fico imaginando que os alunos de vocês também adoraram. Eu sei que para chegar onde vocês chegaram muitos desafios foram enfrentados. E o que mais enobrece isso tudo é a vontade de vocês quererem explorar as mídias com uma geração que vive conectada a ela. No comentário que colocaste no meu artigo sobre “As affordances motivacionais da gamificação na EAD”, podes ter a certeza de que também vais ter sucesso com os games, pois os alunos gostam desse estímulo digital, gostam de ser desafiados. Mais uma vez parabéns pelo trabalho de vocês!

    Grande abraço
    Gerson Bruno Forgiarini de Quadros
    Doutorando em Letras – UCPel/RS
    http://www.gamification.pro.br / http://textolivre.pro.br/blog/?p=6190

    • Obrigado Bruno!!! sucesso para nós! continuarei a ler sobre gamificação. Adorei teu trabalho. seguimos!

  11. Parabéns aos autores,

    O uso do Blog foi uma ideia fantástica principalmente que vocês levaram os jovens para o mundo que eles intendem a “Internet”, souberam trabalhar colocando os jovens para produzir, trabalhando com a educação construtivista parabéns é assim que devemos ensinar.

    • Obrigado Vladimir! quando o aluno/a vê seu trabalho editado, com possibilidades de agregar som, imagem com movimentos ele se deslumbra com seu texto. O que fará ele/ela escrever e ler mais, com mais análise, na sua própria escrita. Seguimos!!!