Pirataria na nternet

Internet é um assunto polêmico, principalmente quando associado á pirataria, è extremamente difícil distinguir compartilhamento de informações da pirataria, principalmente quando se sabe pouco sobre a licença ou domínio público. Contra essa polêmica um meio de combate é a censura, esta é vista como arbitrariedade e assim surgem vários protestos nas redes sociais, como foi o caso de #SOPA e #PIPA.
Autores: Sued Eustaquio Mendes Miranda
Fabiana Dias Póvoa
Paula Cristina de Vasconcelos
Dandara Esteves Senkowski

Leia o ARTIGO COMPLETO aqui

30 thoughts on “Pirataria na nternet

  1. O texto de vocês, embora com uma temática pertinente, precisa de mais embasamento teórico que solidifique a temática e a perspectiva tratada.

  2. A temática do artigo é bem atual e abre possibilidade para discussões intermináveis. A pirataria na internet é um problema grave tanto para quem produz o conteúdo (o autor real) como para que faz uso dele como meio de aquisição de conhecimento, pois este acaba se deparando mais a frente com obstáculos no acesso ao conteúdo, que ocorreram pelo excesso de cópias ilegais. Vocês citaram como uma das formas de se combater a pirataria, as leis de incentivo à cultura. Gostaria que explanassem um pouco mais sobre essa possibilidade no combate a esse crime virtual.
    Regina Pinto.

    • O que pensei no momento de fazer o texto foi referente que a maioria de pirataria no Brasil é realizada por venda de cd’s e dvd’s, e downloads de filmes e livros. Bem considerando o salário mínimo atual fica complicado gastar em um cd, por melhor que seja a banda, aproximadamente 50 reais, tendo em conta que temos mais prioridades (saúde, educação) e com o incentivo eles conseguiriam diminuir o preço desses itens, pois alguams bandas independentes já conseguem lançar cd’s com preço de 15 a 20 reais.

      • A lei de incentivo a cultura poderia, por exemplo, diminuir os impostos para produtos e eventos culturais. Isso diminuiria o preço para que fosse mais acessível a grande parte da população.

  3. A temática deste artigo nos revela dois pontos de vista acerca da pirataria na internet. O dualismo entre liberdade de expressão x prejuízos causados pela pirataria nos faz refletir sobre uma maneira de combatê-lo mas também sobre o direito que temos em nos expressar online. Até onde vai a nossa liberdade e quando começa a infração do direito do outro?
    Regina Kalil.

    • Creio que o problema central no Brasil sempre foi esse, saber diferencias liberdade de libertinagem, o ponto em que alguém passa a se beneficiar mesmo que para isso tenha que maleficiar o outro. Sempre é difícil distinguir principalmente é você quem ganha com isso.
      Obrigado

  4. Com certeza é uma temática muito complexa e de difícil solução. Pois como foi dito no artigo, a pirataria hoje em dia é sustento de muitas pessoas e ao mesmo tempo trata-se de uma violação de direitos. Projetos como o SOPA e PIPA surgiram para assegurar esses direitos. Mas a que ponto eles realmente contribuem? Será essa a melhor solução? Concordo com o artigo, é necessário leis de incentivo à cultura e à educação, para que aconteça uma melhor conscientização.

    • Bem pensamos que toda e qualquer forma de auxiliar as pessoas a discutirem e pensarem sobre o assunto ajuda o desenvolvimento das pessoas, e creio que esses projetos, PIPA e SOPA, tem principalmente a função de despertar a discussão sobre o assunto.
      Obrigado

      • No meu ponto de vista SOPA e PIPA são uma forma de impedir a liberdade de expressão.

  5. Artigo Interessante
    A pirataria é crime, para combatê-la é preciso como citado no artigo, criar leis de incentivo à cultura. Como alertar a população sobre essas leis?

    • Creio que principalmente usando campanhas de conscientização, mas que não fique restrita as pessoas de classe média, pois alguns da classe baixa compra sem saber que isso é crime. Simplesmente pensam que é mais barato.
      Obrigado

  6. A Censura é um caso muito polêmico, e que também varia de acordo com o país que está em discussão, os produtos orginais em um país varia muito, exemplo : CD’s de artistas no Brasil é muito caro e custar em média 8 vezes mais do que o pirata, porém em outros países essa diferença não é tão discrepante, isto influência muito, mas o trabalho esta muito bom, Parabéns ! 🙂

    • Justamente nisso que pensamos no momento em que falamos de leis de maior apoio á cultura, no Brasil as grandes gravadoras pensam muito em lucro, esquecendo de tratar bem os clientes.
      Muito obrigado pela opinião

  7. Outra interpretação pode ser analisada com base em diversos fundamentos,
    principalmente os fundamentos jurídicos.Conforme o trecho abaixo, extraído do artigo 184 do Código Penal Brasileiro, observa-se nitidamente as restrições quanto à violação dos direitos autorais e do que vem a ser ou não crime:
    § 1o Se a violação consistir em reprodução total ou parcial, com intuito de lucro direto ou indireto, por qualquer meio ou processo, de obra intelectual, interpretação, execução ou fonograma, sem autorização expressa do autor, do artista intérprete ou executante, do produtor, conforme o caso, ou de quem os represente: Pena – reclusão, de 2 (dois) a 4 (quatro) anos, e multa.
    § 2o Na mesma pena do § 1o incorre quem, com o intuito de lucro direto ou indireto, distribui, vende, expõe à venda, aluga, introduz no País, adquire, oculta, tem em depósito, original ou cópia de obra intelectual ou fonograma reproduzido com violação do direito de autor, do direito de artista intérprete ou executante ou do direito do produtor de fonograma, ou, ainda, aluga original ou cópia de obra intelectual ou fonograma, sem a expressa autorização dos titulares dos direitos ou de quem os represente.
    § 3o Se a violação consistir no oferecimento ao público, mediante cabo, fibra ótica, satélite, ondas ou qualquer outro sistema que permita ao usuário realizar a seleção da obra ou produção para recebê-la em um tempo e lugar previamente determinados por quem formula a demanda, com intuito de lucro, direto ou indireto, sem autorização expressa, conforme o caso, do autor, do artista intérprete ou executante, do produtor de fonograma, ou de quem os represente: Pena – reclusão, de 2 (dois) a 4 (quatro) anos, e multa.
    § 4o O disposto nos §§ 1o, 2o e 3o não se aplica quando se tratar de exceção ou limitação ao direito de autor ou os que lhe são conexos, em conformidade com o previsto na Lei nº 9.610, de 19 de fevereiro de 1998, nem a cópia de obra intelectual ou fonograma, em um só exemplar, para uso privado do copista, sem intuito de lucro direto ou indireto.

    O ato de compartilhar arquivos ou oferecer um serviço de compartilhamento de arquivos não infringe direitos autorais, ou seja, não é crime. Utilizando-se uma analogia, aviões que sobrevoam uma propriedade rural não violam o direito de propriedade. O espaço aéreo não é restrito aos aviões de propriedade daquela fazenda.
    As opiniões sobre o assunto podem ser divergentes, mas, juridicamente falando, o ato de compartilhar conteúdo sem que o lucro seja visado não é crime.
    Crime é usufruir de conteúdo intelectual alheio omitindo-se a real autoria, agindo como se fosse sua a produção. Ou seja, se vai compartilhar algo, faz-se necessário ao menos citar e referenciar o autor daquele conteúdo.

    • Obrigada pelo comentário e pelas informações! Muito interessante isso, e pode ser usado como argumento muito forte.

  8. O tema do artigo abordado é interessante. Hoje em dia a pirataria esta sendo muito utilizado pelo internet. Muitas pessoas acabam perdendo a oportunidade ter um crescimento financeiro mais eficaz, devido a pirataria pela internet. Ou também, acabam perdendo a privacidade, que foi o caso da Carolina Dieckmann. É importante de novas ideias sejam propostas para acabar, ou pelos menos, diminuir a pirataria via internet.

    • Sim, ainda há muito a ser feito nesse sentido. Muitas leis precisam ser ciradas ou revistas.

  9. O artigo referente a pirataria na internet ficou bem interessante.A pirataria na internet deve ser controlada sim , mas iniciativas como o PIPA ,que propõe dar o poder de censurar a internet para a indústria do entretenimento garantindo o governo bloquear o acesso aos nomes de domínios infratores,são invasivas e inibidoras da liberdade de expressão dos internautas.Já o SOPA visa parar com a pirataria online do entretenimento,garantindo os direitos autorais,o que acho justo para os artistas em geral.No Brasil o tema tem que evoluir muito ainda para chegar a um nivel aceitavel de politicas de conteúdo on-line,mas as leis com “lei carolina dieckmann” são um avanço e mostram que as autoridades já estao preocupadas com o assunto.

    • Concordo com você, ainda há um longo caminho a ser percorrido no Brasil e em muitos países. PiPA e SOPA são bem controversos e muitas pessoas não concordam com a criação dessas iniciativas.

  10. As pessoas que utilizam do acesso à informação de arquivos na internet para lucrarem ou produzirem material de má fé, com certeza devem ser punidos, entretanto, a cultura livre defende um ponto de vista em que toda informação deve ser compartilhada, desde que identifiquemos os seus autores. Como atingir as pessoas sobre este assunto, como educá-las sobre o que é pirataria e como elas são responsáveis por este crime?

  11. Ótima temática abordada. Nos informa como o governo dos EUA estão procedendo contra a pirataria no seu país e como isto está afetando os países ao redor do mundo. A pirataria sim, deve ser corrompida mas o compartilhamento de arquivos deve continuar; temos vários exemplos de escritores que aumentaram a venda de seus livros mesmo com o compartilhamento do seculo XXI.
    Os projetos SOPA e PIPA existem mais ainda não foram aprovados, porem acredito que o governo norte-americano tem que rever alguns conceitos referentes aos projetos já que os EUA é o país que mais fatura no ramo cinematográfico.

  12. esse artigo retrata um tema bem atual!
    agora eu penso que tudo relacionado a entretenimento como livros,música,filmes etc, se fossem comercializados a um preço acessível diminuiria bastante a pirataria na internet desse tipo.

  13. O artigo aborda questões bastante polemicas principalmente quando fala da situação em que, de certa forma, haveria uma certa invasão na privacidade dos usuários da internet com o objetivo de combater a pirataria. Concordo com os autores quando consideram a dificuldade de se obter conteúdos como livros, filmes e músicas de forma legal em virtude dos preços cobrados uma forma aumentar a prática de pirataria.

  14. Na conclusão, o grupo coloca uma informação até o momento desconhecida por mim, pelo menos – a de que a pirataria é responsável por uma grande parcela do PIB. De que forma isso ocorre? E de onde foi obtida essa informação?

  15. O compartilhamento de arquivos na internet ainda se encontra como a análise realizada no artigo em um campo de discussão em que não há uma opinião unanime da sociedade do que seja considerado realmente pirataria. De qualquer forma torna-se cada vez mais necessária a discussão sobre essa temática, já que na maioria das vezes nós compartilhamos arquivos de diversas origens, fazemos download de de diversos de músicas sem nos preocupar se é pirtataria ou não.

  16. O tema do artigo é bastante polêmico, com grande repercussão em muitos países. Concordo quando é mencionado no artigo uma necessidade de maior incentivo a cultura, porque hoje em dia a cultura não é muito acessível de forma legal devido ao preço da mesma.

  17. Esse tema é muito delicado, mas de extrema importância. A pirataria na internet acontece, mas como citado no trabalho, o que é pirataria? Antes de privar a grande maioria ao acesso a informação ou condenar aqueles que fizeram, de alguma forma, parte da pirataria, todos devem ser informados sobre as legislações ou incentivados e a conhecê-las, sendo a educação o caminho para aplicação de uma estratégia mais efetiva contra a pirataria.