A universidade como entidade vital para produção de software livre

Seguindo um ritmo muito mais lento do que a automatização da produção
industrial, a produção de software ainda demanda, e até onde é possível enxergar vai
demandar, uma grande quantidade de mão-de-obra humana.
No contexto do mundo que vivemos essa demanda de mão-de-obra qualificada é
sinônimo de custo econômico elevado e o reflexo disso é o software como um produto
caro. É neste cenário é que aparece a universidade como um motor para os projetos de
software livre. O conhecimento técnico-científico para a tecnologia de softwares é
disseminado justamente pela universidade, sendo ela o local onde há mão-de-obra
capacitada disponível sem o viés econômico do investimento de capital.
Este trabalho se propõe a buscar na literatura casos de sucesso e iniciativas de
produção de software livre nas universidades e fazer uma reflexão da atuação da mesma
no cenário.

Palavras-chave: software, livre, universidade
Autores: Leandro Ferreira Rodrigues
Chrystiano Alves Galdino
Eduardo Vilaça Campos GOmes
Ellen Alves de Souza
Bruno Canesso Gonçalves
Nicole Campos Foureaux

Leia o ARTIGO COMPLETO aqui

Este artigo recebeu Menção Honrosa pela Comissão Científica do UEADSL2012.2.

8 thoughts on “A universidade como entidade vital para produção de software livre

  1. Parabéns pelo seu artigo! Mostra de forma clara o importante papel das universidades no desenvolvimento de softwares livres. Interessante saber o quanto é antiga a cultura livre…
    Agda Mendonça

  2. Com a leitura do artigo podemos perceber a importância das universidades como incubadora de projetos que vão de encontro a uma produção industrial e a lógica capitalista no qual vivemos pois além de ser uma oportunidade de colocar os conceitos ensinados em prática, um número maior de projetos pode ser aprovado devido à redução dos custos se comparados as empresas especializadas. Ainda foram exemplificados alguns sistemas operacionais, o que foi de grande ajuda para o aprofundamento do assunto.

  3. Por meio da leitura desse artigo, percebe-se o poder de transformação que a universidade tem no mundo em que vivemos. Incentivos e financiamentos para o desenvolvimento de novos softwares pelas universidades irão contribuir para a diminuição dos preços de utilização desses programas, além de combater a monopolização que existe pelas grandes empresas produtoras deles. A idéia do artigo ao mostrar isso é muito interessante e inovadora.

  4. O tempo e a qualificação exigidos para a criação de um software livre são os principais fatores que dificultam sua produção. No entanto, o artigo trabalha bem uma excelente forma de superar esses obstáculos, que é o intermédio da universidade. Além de os alunos aperfeiçoarem suas habilidades, os softwares produzidos irão ajudá-los ao longo da vida acadêmica. É gratificante ver o sucesso dessa prática, através dos exemplos trazidos pelo artigo, e perceber o quão profundas são suas raízes, que há muito tempo incentivam e sustentam a cultura livre.

  5. Muito bom, parabéns pelo trabalho. Não tenho dúvidas que as universidades são cruciais para o desenvolvimento de softwares livres. Os softwares livres em si vão contra o paradigma capitalista e acho isso importante. Estou certo que vários outros programas importantes surgiram nas universidades, inclusive conheço alguns.

  6. Achei a discussão sobre a utilização do software muito rica. Concordo com a afirmativa feita: “No contexto do mundo que vivemos essa demanda de mão-de-obra qualificada é sinônimo de custo econômico elevado e o reflexo disso é o software como um produto caro. É neste cenário é que aparece a universidade como um motor para os projetos de software livre”. Parabéns.

  7. Ótimo artigo. Sempre achei o FreeBSD e o OpenBSD mais confiáveis e estáveis que o GNU/Linux e suspeito que o fato de ser desenvolvido em um ambiente acadêmico seja um dos motivos. Percebo o mesmo com as ferramentas com que trabalho – as melhores contribuições tendem a ser resultados de pesquisas universitárias. Um outro exemplo que gostaria de citar é o LLVM, desenvolvido na Universidade de Illinois, a par ou até melhor que o tradicional GCC. As universidades, realmente, têm um papel indiscutível para o avanço do software livre. Novamente, ótimo artigo!