Aplicativos gratuitos de ensino de inglês para Android: breve relato de testes

A internet móvel cresce em número de usuários, novos recursos são incorporados aos aparelhos que, por sua vez, passam a demandar sistemas operacionais robustos, tais como a plataforma aberta Android. Nessa nova geração de celulares, os chamados smartphones, podemos encontrar pequenos softwares, os aplicativos, que são voltados para todos os fins possíveis e imagináveis tais como a educação. O objeto deste relato é aplicativos voltados para o ensino de inglês. Pretende-se apresentar uma análise dos recursos disponíveis para a aprendizagem do idioma em alguns aplicativos gratuitos, bem como tecer comentários acerca de seus benefícios e limitações. Conclui-se que são úteis em alguma medida, contudo, não são a solução definitiva na aquisição de uma segunda língua.
Palavras-chave: Android; Aplicativos; Aprendizagem de Inglês.
Autores: Carlos Henrique Silva de Castro

Leia o ARTIGO COMPLETO aqui

33 thoughts on “Aplicativos gratuitos de ensino de inglês para Android: breve relato de testes

  1. Uma das formas interessantes de pensar a liberdade na internet é tendo em vista as diversas aplicações que os dispositivos de acesso à rede permitem utilizar nas práticas educacionais, formais ou informais. Gostei muito da comparação feita, Carlos, creio que vai ajudar muita gente interessada em aprender inglês usando o celular. E me fez pensar na ideia de liberdade que está por trás do software livre: é muito mais simples conseguir de uma comunidade de softwre livre que implemente uma melhoria ou nova funcionalidade num determinado aplicativo do que no caso de softwares proprietários. Daí uma comparação como essa tem até um alcance muito maior.

    • Acris, estamos precisando de desenvolvedores de aplicativos livres para os fins educacionais. Se tivéssemos aplicativos livres, certamente as funcionalidades no ensino de idiomas, como nos exemplos do artigo, seriam em um número muito maior. Eu ando meio instigado a tentar fazer uns aplicativos tb. Quem sabe no futuro eu consiga empreender algo assim. E saliento que fazer produtos livres não quer dizer deixar de ganhar dinheiro. Como exemplo, temos o caso da revista Orsai que aumentou a vendagem de assinaturas depois de disponibilizar os PDFs gratuitamente relatado em http://www.revistaforum.com.br/conteudo/detalhe_noticia.php?codNoticia=9689/.

    • O que eu acho mais interessante, é claro, além do conteúdo passado pelos aplicativos de inglês, é a possibilidade de acesso que as pessoas até tempos atrás não tinham condições de ter, seja por condição econômica ou por rotina, e agora, mesmo que em um nível não tão aprofundado, as pessoas podem ter o primeiro contato com a língua.

  2. Caro Carlos!

    O presente estudo é muito pertinente uma vez que esse tema é uma tendência global. O uso de e-mobiles tem um crescimento muito significativo, ainda que esteja numa fase inicial de desenvolvimento na área do ensino de idiomas. Acredito que você deva desenvolver melhor o estudo, posicionando a investigação num caráter mais cientifico. Senti falta de mais referências. Posso recomendar para vocês um estudo realizado na UFRGS, com a professora Liane Tarouco sobre objetos de aprendizagem móveis(http://www.cinted.ufrgs.br/CESTA/objetosdeaprendizagem_sucesu.pdf). Creio que vocês estão no caminho de desenvolvimento de uma proposta de estudo bem significativa no campo do ensino de idiomas. Parabéns pelo estudo, Abraço.

  3. Boa crítica Bruno. Também acho que ainda há muito pano pra manga. Contudo, o trabalho atende ao objetivo proposto de relatar os testes feitos em m-learning ou u-learning. Vou aproveitar sua dica para continuar o diálogo, muito proveitoso e pertinente, como vc pontuou, e, quem sabe, apresentar uma pesquisa ao invés de um breve relato. Obrigado pela referência e dicas.

  4. Parabéns Carlos,
    O conteúdo do seu artigo foi claro e objetivo, é interessante perceber o quanto a internet móvel tem crescido atualmente no mundo todo e como tem aumentado o número de usuários, e como os dispositivos de acesso a rede tem proporcionado às práticas educacionais de aprendizado.
    Parabéns pelo artigo

    Dayane letícia R. dos Reis

    • Concordo contigo Dayane. As práticas de aprendizagem tem usufruído do aceso crescente da internet móvel e cabe a nós pesquisarmos o que tem acontecido e propor melhorias. Pois o potencial existe e penso que podemos melhorar os aplicativos, os exercícios e, quem sabe, oferecer acesso livre e gratuito aos interessados. Tõ de dedos cruzados pra que isso aconteça o mais rápido possível.

  5. O artigo é muito interessante, pois apresenta a interface de usuários e sistemas móveis, o que tem sido bastante explorado no mercado ultimamente. Mostra um desenvolvimento e metodologia focados no tema, abordando de forma clara o objetivo, e explicitando muito bem o uso das ferramentas e tecnologia disponíveis.

    • Obrigado pelo comentário Janice. Buscarei trazer sempre reflexões sobre educação a distância, incluindo a disponível nos dispositivos móveis.

  6. O tema do artigo dos senhores é bem pertinente ao contexto atual, no qual vemos uma grande quantidade de pessoas comprando aparelhos móveis do tipo Android, para usufruir desses inúmeros aplicativos sendo eles gratuitos ou não, e assim esse mercado vêm crescendo a cada dia e trazendo lucros gigantescos aos autores dos divertidos e muitas vezes uteis aplicativos.
    E o foco que vocês trazem para a utilização desses aplicativos com fim educacional deve ser pautado com grande atenção pois, fazer interligação entre tecnologia e ensino no mundo globalizado é um ponto indispensável e fundamental!
    Abraços
    Lorena Latini

    • Obrigado pela visita Lorena. Acho que você é muito feliz no cometário, sobretudo nesse trecho: “fazer interligação entre tecnologia e ensino no mundo globalizado é um ponto indispensável e fundamental!”. Se fazemos uso das novas tecnologias para a interação no dia a dia, com certeza é indispensável e fundamental o estudo do uso dessas tecnologias para a educação que se inicia pela interação, invariavelmente.

  7. Muito interessante o artigo de vocês, realmente é algo que ate então eu não conhecia, e achei muito interessante este tema, é muito importante que apareçam cada vez mais aplicativos de fins educacionais, e ferramentas de aprendizado, o artigo está bem detalhado organizado e intuitivo, parabéns!

    • Que bom que eu consegui trazer algo novo pra você Rodrigo. Muito gratificante notar que o nosso trabalho conseguiu agregar. Bom congresso!

  8. O sistema Android e a popularização dos celulares com acesso à internet possibilitou ainda mais o acesso da sociedade à troca de informações. Basta saber se a sociedade está realmente pronta para usufruir das tecnologias que hoje viabilizam essa conectividade.

    • Não conheço estatísticas a respeito dos usos. Mas as páginas dos aplicativos sempre trazem o número de downloads, que é parcial, tendo em vista que as versões sempre mudam. O Busuu em inglês, que eu citei no relato,teve mais de 2500 downloads e o Babbel inglês, também citado no texto, teve 2498 downloads. O que não quer dizer que todos usem. Mas é um bom indicativo do interesse pelos softwares de ensino de idiomas.

  9. Confesso que nunca havia ouvido falar de tais aplicativos, mas achei a idéia interessante. Entretanto, seguindo a orientação passada no artigo, achei os recursos limitados por demais e imagino que seriam melhor utilizados como apoio do que como guia definitivo. É muito comum escolas de inglês utilizarem estes recursos ou são utilizados somente de forma independente?

    • Fillipe, desconheço escolas que usem aplicativos baseados em Android como ferramenta, mesmo que complementar, de ensino. Mas como curso livre, o m-learning, como o tipo de ensino é conhecido, tem crescido muito. Já existem cursos específicos até para o formação desse tipo de profissional.

  10. Acho muito interessante a diversidade de aplicativos com funções diversas que não param de surgir com auxilio das tecnologias que temos acesso nos dias de hoje. Nunca havia lido nada sobre os aplicativos apresentados e achei muito boa a maneira em que o material foi a presentado. Acho que aplicativos destinados ao aperfeiçoamento do vocabulário estrangeiro é bem interessante e, como os autores do artigo mesmo disseram, é uma maneira inteligente de utilizar o tempo que passamos dentro de um ônibus.

    • Olá Diego, sobre utilizar melhor o tempo, me lembrei de um relato de uma amiga dia desses. Ela me disse que justamente em um ônibus viu um número grande de pessoas com smartphones nas mãos e os utilizando para leitura. Não sabemos os conteúdos, mas notamos que têm grande potencial que, se bem utilizado, pode auxiliar bastante na educação.

  11. Olá Carlos,
    acredito que os aplicativos gratuitos de ensino de inglês para Android evidenciados por você são ótimos exemplos de como softwares livres podem ser criados com o objetivo não só do lucro (que como você mesmo disse, pode sim ser obtido mesmo com código aberto), mas também de contribuir com a sociedade em geral, criando ferramentas de auxílio e promovendo avanços em diversas áreas do conhecimento que não a da Computação. São exemplos como esse que demonstram a força do software livre e o poder que ele tem de revolucionar o conhecimento, de forma livre e colaborativa. Parabéns pelo artigo!

    • Olá Laura! Muitos desenvolvedores de SL estão ganhando dinheiro sem passar a cobrar serviços ofertados, inicialmente, como gratuitos. Usam de publicidade, de assinaturas de conteúdos em outros formatos, dentre outras possibilidades. Obrigado pela visita.

      • O uso de aplicativos aliados a educação marca um avanço significativo no aprendizado de idiomas .Pena que muitas das vezes o uso desses softwares são limitados e para que o estudante avance nas lições é preciso pagar por elas .
        Se essa modalidade fosse disponibilizada de graça,o número de interessados em aprender através desses programas aumentaria bastante .
        Possibilitando que mais pessoas adquirissem uma segunda língua .

  12. Pingback: Debates finais do UEADSL 2012.1 – Participe! | Carlos Henrique Silva de Castro @chcastro

  13. Olá Carlos,

    o assunto é muito pertinente. Inclusive meu aparelho possui um recurso parecido e que utilizo com frequência. O desenvolvimento dessas ferramentas, bem como sua divulgação é essencial para o fomento à inclusão cultural via inclusão digital.

    Parabéns!!

  14. Muito interessante a análise e comparação dos diferentes aplicativos disponíveis para o ensino de línguas. Sou usuária do Android e inclusive já busquei aplicativos para esta função. Gostaria de saber na opinião do autor, qual deve ser o papel de desenvolvedores de softwares voltados para ensino? Mais especificamente, como o autor avalia as ações daqueles desenvolvedores que cobram pelos seus produtos?

    • Bruna, ninguém quer trabalhar de graça. Mas já existem pesquisas que apontam crescimento de vendas em setores que disponibilizam produtos gratuitamente. Isso já aconteceu com revistas e livros (busque na internet um artigo chamado PIRATAS E TUBARÕES que tem um exemplo desses / tem um artigo aqui do UEADSL que apresenta uma fala do paulo Coelho sobre isso tb) e espero que os desenvolvedores encontrem novos caminhos para oferecer produtos livres. talvez, instituições educacionais se interessem. Certamente ganhariam mais alunos se ofertassem material livre. Mas isso é só uma suposição minha. Obrigado pela visita Bruna.

  15. Geice Verassani Lemos da Silva on 6 de junho de 2012 at 18:18 said:

    O uso de aplicativos aliados a educação marca um avanço significativo no aprendizado de idiomas .Pena que muitas das vezes o uso desses softwares são limitados e para que o estudante avance nas lições é preciso pagar por elas .
    Se essa modalidade fosse disponibilizada de graça,o número de interessados em aprender através desses programas aumentaria bastante .
    Possibilitando que mais pessoas adquirissem uma segunda língua .

    • Olá Geice! É isso mesmo que vc pontuou. Oferecem o conteúudo de apresentação gratuitamente e para dar continuidade vc tem que pagar. O lado positivo é que é bem mais barato que qualquer cursinho. Mas também não podemos achar que essas experiências substituem aulas com diversos inputs como o diálogo face-a-face, leituras diversas e discussão, mediação adequada pelo professor, etc. Por ora, são ferramentas de auxílio a baixo custo. Mas advogo em favor do Software Livre e acho que essa seria uma solução.

  16. Carlos, não conheço muito bem o Android, pois possuo um iPhone. O aplicativo Busuu.com na versão iPhone já foi baixado mais de duas milhões de vezes, segundo seus desenvolvedores. Gostaria de ressaltar que esse aplicativo esta disponível em nove idiomas (inglês, espanhol, francês, alemão, italiano, português, russo, plonês e turco) em cursos oferecidos entre iniciante e intermediário. Tenho, no meu iPhone, o aplicativo em italiano e concordo com você quando diz que o seu ponto forte é a interpretação de textos. Acho, também, suas atividades bem didáticas e o melhor da história é que pode ser usado, também, sem a conexãoà internet.

    • No IPhone, parece que ele é mais popular que no Android. Os cursos são todos iguais nos diversos idiomas. Descobri um outro aplicativo, o VOX. Esse apresenta um texto no idioma que estamos estudando e, em seguida, apresenta um pequeno teste sobre vocabulário e sobre o conteúdo do texto. Prefiro estes aplicativos que trabalham com textos. No próximo UEADSL, vou fazer outro relato de testes só com eles. Obrigado pela visita Raquel.

  17. Carlos, o aplicativo VOX eu ainda não conheço, mas vou acompanhar os resultados da sua pesquisa no próximo UEADSL.

  18. Gostei muito do artigo!
    Ficou bem escrito e trata de um assunto que eu não conhecia. Sabia da existência de vários aplicativos, mas nunca tinha visto um para ensino de línguas.
    No caso específico de idiomas, estudar com frequência é importante e ter uma escola de inglês no celular é uma excelente opção.
    O artigo é muito útil para sabermos se os aplicativos são mesmo úteis e qual o melhor.
    Achei muito interessante.