As redes virtuais e os movimentos sociais

As Redes Sociais virtuais têm sido palco de diversos movimentos sociais de grande e pequena escala. A amizade é a paixão geradora desse motor social e os discursos existentes nesses movimentos têm como alvo um anti-sujeito e ou anti-objeto definidos. Trata-se de um tipo genérico de amizade sob o qual são construídos e interpretados esses discursos de grande apelo passional e emocional. Esse trabalho procurar correlacionar a amizade e as características do discurso sobre esses movimentos sociais.
Autores: Woodson Fiorini de Carvalho
Gustavo Luiz Fernandes de Morais

Leia o ARTIGO COMPLETO aqui

10 thoughts on “As redes virtuais e os movimentos sociais

  1. Gostei muito do artigo, mas fico me perguntando até que ponto as notícias públicas em que se baseia não foram filtradas antes ou mesmo manipuladas para passar uma imagem sempre negativa dos grupos revolucionários, online ou não. Acho que é algo a ser pensado, já que quem diz que o Anonymous é uma rede de criminosos é a imprensa, que tem inúmeros motivos para desacreditá-los. Por outro lado, é fácil prever que, mesmo que seja uma rede de pessoas honestas atrás de um bem maior, nada pode impedir que seja integrada por criminosos. E ainda ouso dizer: isso pensando que até a própria palavra “criminoso” é questionável, dependendo do que se está pensando ao utilizá-la.
    No resto do artigo uma longa análise da amizade quase que destoa, pois talvez seja aqui que devamos discutir, nesses comentários: qual a relação entre crime e amizade?
    Não sei se dei conta do artigo, nessa leitura, mas gostaria de participar deste debate.

    • Acris,

      Não sei se deixei claro no artigo, mas uma rede criminosa ou não é feita de “aliados”. O que os mantém unidos é um tipo de “amizade” em que pessoas se associam por interesses comuns e que agem com esse mesmo interesse! Eles possuem uma “empatia” e desenvolvem uma “cumplicidade” gerada por uma “confiança” .
      Na verdade, a rede Anonymus foi adicionada ao artigo como um exemplo de grupos que se associaram para medir forças com certas instituições e enfrentá-las de forma subversiva e anônima por considerarem que seriam punidos caso seus membros se identificassem. Esses grupos consideram que elas sufocam a liberdade de expressão e ameaçam a liberdade proporcionada pelo espaço digital da Internet.
      O artigo, em verdade, está focado principalmente no Greenpeace que é um movimento legitimado e reconhecido pela sociedade que age de forma inusitada, mas não no anonimato! Acho que essa distinção é importante para distinguir os tipos de Movimentos Sociais!
      A amizade aparece aqui como um mesmo tipo de “paixão semiótica” que move as redes sociais e os movimentos sociais de formas distintas e com diferentes objetivos!

  2. Interessante a análise sobre as relações estabelecidas nas redes sociais. Realmente, o ativista é aquele que quer participar mas não ser visto, o anônimo declarado.

    • Ao contrário Gisele Lucowicz. O Ativista é aquele que “NÃO QUER NÃO SER VISTO”. Isso significa que ele pretende ser notado e identificado, ainda que sua identidade não seja revelada! Há sempre um pseudônimo que o identifica na comunidade cuja identidade verdadeira poucos ou ninguém conhecem.
      É mais comum que ele seja identificado e assumido metonimicamente por algum grupo do qual faz parte, quando não age sozinho! Obrigado pela observação!

  3. Achei que você fez uma abordagem diferente dos artigos que tenho lido. Mas mesmo assim foi uma abordagem interessante e que ajuda a entender melhor essas duas possiveis futuras leis.

  4. Parabéns pelo trabalho, gostei muito da maneira pela qual os argumentos foram postos.

  5. Pingback: Debates finais do UEADSL 2012.1 – Participe! | Carlos Henrique Silva de Castro @chcastro

  6. Olá Woodson e Gustavo,

    adorei o artigo. A internet tem contribuído exponencialmente para a formação e fortalecimento de redes sociais que “atuam’ nos mais diversos campos, fomentando a troca de experiências e disseminando ideais – e ideais – pelo mundo a fora. É claro que a mídia filtra muita coisa mas creio que a essência dos movimentos e os valores oriundos deles prevalecem.

    Parabéns!!

  7. Parabéns pelo trabalho! Muito interessante a análise do discurso de movimentos sociais nas redes virtuais, e a correlação de suas características com o apelo emocional, dado pela amizade.

  8. Achei interessante, a diferença colocada no artigo, entre movimentos sociais e redes sociais, na minha humilde opinião, não seria pelo fato que nos movimentos sociais, há um corpo a corpo do qual o movimento e feito com inteções politicas sociais em favor da maioria e as redes sociais desde que foram criadas gera sempre uma “panelinha” de grupos com seus prórprios intersses classistas.