O Computador e as mudanças na forma de escrever

O computador é uma ferramenta poderosa que mudou a vida humana em vários aspectos. Dentre elas a forma de se comunicar globalmente e como o conhecimento humano é gerido e repassado as pessoas. Mas não foram só esses itens que sofreram grandes mudanças. A produção textual também sofreu impactos relevantes dessa modernidade. Atualmente um número muito maior de pessoas tem acesso a produzir e publicar para milhões de pessoas ao redor do mundo seus pensamentos e textos de todos os tipos.
Autores: Daniel Henrique Gonçalves: danielgrampola em hotmail.com

Leia o ARTIGO COMPLETO aqui

35 thoughts on “O Computador e as mudanças na forma de escrever

  1. O texto parece incompleto ou sucinto demais. Além disso, não há análise, citações, referência e sustentação consiste de ideias. Um artigo deve ser mais científico. Atencão!!!

  2. É notório a mudança cultural que a popularização da informática acarretou. Se antes trabalhava-se em maquinas de escrever, hoje trabalha-se em computadores; se antes, a TV era o veículo de informação de maior expressão, hoje temos a internet como um potencial concorrente…

    Fato é que essa popularização do computador junto com a internet, mudou profundamente a escrita. Vemos que hoje abreviações são muito utilizadas, como por exemplo “vc” no lugar de “você”, vemos que acentos são ignorados e que palavras novas são criadas.

    Na minha opinião, isso é algo muito semelhante ao que acontece na linguagem regional, e deve se possuir o devido cuidado para que essa nova linguagem não entre em conflito com a linguagem tradicional.

  3. Como foi dito, o texto está muito sucinto, mas, essa é mais uma característica da produção textual na era da internet, ao mesmo tempo em que as informações são muitas (quantidade), também são poucas(qualidadde), não sucintas, mas superficiais, rápidas…Quanto a linguagem, sabemos que essa é plástica e preciso se modificar ao longo dos tempos, das circunstâncias, o que se precisa aprender é o quê, como e quando usar as diferentes linguagens, e é aí que nossos alunos se perdem, principalmente os adolescentes, que ainda não percebem esses limites.

  4. A idéia abordada pelo artigo é extremamente interessante, uma vez que explora como o computador e a internet revolucionaram a vida de boa parte da população mundial. Atualmente, os impactos dessa mudança tem sido bastante estudados, e é quase unânime que trata-se de um caminho sem volta.

    O autor foca seu trabalho nas mudanças ocorridas na maneira de escrever – percebemos que os textos são cada mais diretos e utilizam uma linguagem surgida com a internet, que incorpora inúmeras abreviações e termos não utilizados anteriormente. Na minha opnião, não há nada de errado nisso, desde que as pessoas saibam onde, como e quando utilizar cada uma das linguagens.

  5. Apesar da objetividade do texto com a sua forma sucinta de informar podemos perceber que ele fala de um ponto importante que é a mudança na forma de escrever influenciada pela popularização dos computadores. Com certeza é notório que diversas pessoas assumem uma outra postura na frente dos computadores e acabam tendo uma forma de se expresar diferente diante das máquina. Acredito que esta postura passe a ser um problema quando esta forma de escrever é levada para outros ambientes como a escola.

  6. Não foi apenas a forma de escrever que mudou; a forma de ler mudou junto, vez que são atos intrínsecos entre si, ou seja, no ato de produzir um texto, a leitura é inerente; bem diverso do ato de leitura considerado isoladamente. Entre os migrantes para o uso da tecnologia, é impactante a leitura no computador, sem contar o uso de uma linguagem específica, a qual concorre para inclusão/exclusão digital se não houver domínio em níveis mínimos. Concordo com os demais comentários no sentido de que o texto cujo foco é o diálogo através de “pensamentos e textos de todos os tipos” não desenvolveu a riqueza do tema atualíssimo e bem escolhido.

  7. Não vejo como totalmente prejudicial a forma como se escreve no mundo virtual. É uma linguagem característica, mas como em todas as situações a que somos submetidos deve ser utilizada em um ambiente específico. Um pai não usa as mesmas expressões em casa e no trabalho. No caso, o prejudicial é a utilização inadequada do coloquialismo virtual em ocasiões impróprias.

  8. Concordo com o Sérgio. A linguagem virtual só é inadequada quando usada fora do seu “ambiente natural”.

  9. O tema abordado no “artigo” é bastante interessante. Porém, não foi trabalhado devidamente, como algumas pessoa comentaram acima.

    Para ser um escritor é preciso apenas ter um computador?
    A escrita se tornou fácil?
    De onde foram tiradas as datas?

  10. Concordo com o Sérgio e a Sara uma vez que,a linguagem virtual se apresenta,quando em seu devido contexto,como um facilitador da comunicação uma vez que sua forma geralmente facilita a digitação.A lingua virtual o “internêtes” não pode ser considerada a vilã da gramática os grandes “vilões” ,ao meu ver, são os usuários dessa linguagem em documentos não online.

  11. Tema extremamente interessante e atual, mas algumas epectativas não são correspondidas ao longo do artigo.
    Acho que realmente todos podem ser escritores.

  12. Concordo com a maioria das opiniões a respeito do artigo citadas acima. Mas também acho que devemos levar em conta que a linguagem virtual não atingi todos aqueles que não possuem acesso a computadores. Acho muito mais preocupantes as mudanças na linguagem oriundas de comunidades com baixa escolaridade do que as deformações lingüísticas acarretadas pela escrita virtual.

  13. O assunto foi bem introduzido, mas onde está o artigo?
    No momento de começar a desenvolvê-lo, acabou? Justamente este assunto, que
    poderia render um ótimo material de discussão, um debate acalorado e produtivo?
    Trabalhe mais este assunto e mostre os prós e os contras destas mudanças e a sua
    adequação a cada situação comunicativa. Você tem um belo tema nas mãos.

  14. Assunto interessante e de leitura motivadora, mas na minha opinião deveriam ser presentadas mais causas e possíveis soluções,pois quando comecei a me debruçar sobre a leitura o artigo acabou.

  15. Também concordo que faltou o desenvolvimento do assunto proposto, que é atual e muito comentado.
    A linguagem virtual é uma realidade muito presente na vida de todos nós. Ela traz aspectos positivos, como a rapidez das informações e a maior comunicação entre as pessoas. Contudo, percebe-se que esse tipo de linguagem às vezes infringe as normas gramaticais, prejudicando aqueles que estão na fase de aprendizagem.

  16. A temática do artigo, como todos têm comentado, é muito instigante e provoca debates acalorados, mas creio que seria melhor explorado por alguém da área de Pedagogia, Letras ou afins. Como podemos notar no início do texto, a formação do autor é na área de Engenharia Mecânica. Talvez esta formação acadêmica não dê subsídios suficientes para que o autor debata com propriedade as mudanças na forma de escrever ocasionadas pelo advento do computador.

  17. O artigo tem o mérito de trazer ao evento uma discussão tão nova e importante. O autor se mostra corajoso ao tentar enveredar em uma seara que não é de sua formação. Temos que ter cuidado ao acreditarmos que os meios e suportes, a tecnologia, altera o comportamento e a linguagem das pessoas. Isso não é exatamente assim. Sobre os novos tipos de texto, os novos gêneros, eles emergem com as novas práticas sociais. Sempre foi assim. É claro que um comentário aqui no blog, por exemplo, é bem diferentes de um artigo. Isso se dá por que possuem objetivos, suportes, tecnologias diferentes. E a forma de escrever em cada gênero também é diferente. Ninguém coloca em um artigo científico, por exemplo, as abreviações tb, tc, vc, pq, qq, dentre outras várias. O que não pode acontecer é as pessoas passarem a desconhecer/desaprender (ou sei lá como diriam os mais alarmados e pessimistas) gêneros necessários às relações formais. Nenhum problema em usarmos em sms ou scraps abreviações ou outras práticas linguísticas que auxilie o autor nestes tipos específicos de gêneros. Problema é não se ensinar a escrita formal na escola e na universidade.

  18. Parabéns pelo artigo. Apesar de sucinto o artigo trata de tema relevante para a sociedade. Até que ponto a linguagem cibernética influenciará nossas vidas? Se antigamente falava-se “vossa mercê”, depois passou a “vosmece”, depois você, com a linguagem cibernética já chegamos no vc. Aonde vamos parar? A pressa de todos, dizendo que não há tempo para escrever é um tipo de muleta. Viva a lingua culta. Fora o portugues cibernético. Mais uma vez, parabéns pelo artigo.

  19. Olá, Daniel,
    O internetês apenas representa uma nova modalidade da escrita, uma variação simplificada e econômica de realização da língua muito próxima da oralidade, exigida pela rapidez da comunicação, quase sempre síncrona e com pessoas com quem se mantêm uma relação de amizade com liberdade para tal, e não uma deturpação linguística.São adaptações gráficas que caracterizam alguns gêneros emergentes no meio virtual, por exemplo, o chat em aberto.
    A escrita formal ou informal no caso do computador conectado à internet nem sempre está ligada ao fato da comunicação ser síncrona ou assíncrona ou ao grau de instrução do indivíduo, mas a muitos outros fatores como filosofia do site, público receptor, intencionalidade e gênero textual/virtual utilizado, por isso, deve ser vista como uma adequação necessária feita pela pessoa para que a comunicação ocorra em harmonia com seu contexto. E este é mais um motivo para que o usuário fique atento quanto à escrita, não achar que pode escrever de qualquer maneira só porque está conectado.
    Assunto interessante este.
    Abraço
    Agleice

  20. Olá Daniel,

    Concordo que a internet facilitou o acesso das pessoas a informação. No entanto não acredito que o internetês esteja prejudicando o modo de escrita dos jovens, pois este modo de escrita é aplicado a um contexto específico. Considero até interessante que os jovens passem por este exercício de adequação nos diferentes contextos de linguagem, pois é uma forma deles explorarem as inúmeras possibilidades que a língua oferece.

  21. O assunto tem uma quantidade copiosa de aspecto para se discutir. De fato, uma lauda talvez tenha sido pouco. A despeito disso, o assunto me interessa bastante e tenho uma opinião formada: a língua que não muda, não se adapta e não evolui é uma língua morta. Entendo a língua como uma manifestação dinâmica da expressão humana e, sendo assim, deve ser usada da forma que um grupo de indivíduos achar mais conveniente.

  22. Vim aqui atraído pela quantidade de comentários. Concordo com todos acima, vocês expuseram de maneira equivocada o tema. Era um assunto bastante interessante para ser trabalhado em um artigo mas vocês o tornaram vazio com citações do tipo “A escrita tornou-se tão fácil quanto digitar em um teclado e depois apertar uma tecla para publicar.”

    Não achei a abordagem adequada.

  23. Achei o texto quase metalinguistico: um texto incompleto falando a respeito de texto mal escritos. Parabéns. Acho que nos fez entender na prática a mensagem. Excelente estratégia!

  24. Olá Daniel,
    O tema é insumo para muita discussão, mas você precisa desenvolvê-lo melhor.
    Abraço,
    Marcus Valadares

  25. Parabéns pelo seu artigo, suas idéias foram muito interessantes e contribuíram para repensar as mudanças nos diversos modos de comunicação da sociedade atual.

  26. Primeiro, parabenizo pelo artigo..
    Estpa muito interessante e contribuem para a reflexão o sobre tema
    O tema é muito pertinente no momento, a internet favoreceu a acessibilidade à informação e também, a escrita e leitura.
    Mas a nova forma de escrita que se desenvolveu pelos internautas, citada no texto, poderia ser aprofundada.

  27. Gostei do assunto abordado pois remete-se a um tema extremamente atual e pertinente com a matéria.

  28. Achei o assunto abordado estremamente consistente, porém algo muito óbivio nos dias de principalmente para estas gerações atuais que aprendem praticamente primeiro a usar um computador em vez de caminhar.
    Na minha opiniao este assunto deve ser direcionado a pessoas um pouco mais velhas e aquelas sem acesso a tal equipamento, para traze-las para dentro do mundo atual, o qual é cada vez mais dependente do computador e de suas evoluções,

  29. Embora sucinto, o artigo aborda sobre um dos problemas provenientes do uso da internet: a mudança na forma de escrever, que vem se tornando cada vez mais abreviada e direta. É necessário ter ateção para que isso não afete a escrita, e que abreviações não se tornem erros de português e que objetividade não se torne perda de conteúdo. A internet deve facilitar, mas de forma alguma, empobrecer a comunicação.

  30. Como muitos acima disseram o artigo esta sucinto e poderia ter sido melhor trabalhado. Não concordo com a afirmativa que diz que a linguagem da internet prejudica o aprendizado de jovens, pois a questão se difere justamente na necessidade que eles tem de utilizar determinada linguagem, eles não deixam de aprender o português formal devido influência da internet, isso esta relacionado a preguiça que hoje em dia verifica-se em boa parte dos alunos em se escrever corretamente.

  31. Achei o tema bem interessante pois realmente o computador trouxe grandes mudanças para o cotidiano das pessoas. O computador esta sendo o meio de comunicação mais rápido, além de ser o instrumento de trabalho mais utilizado na atualidade.

  32. Gostei muito do seu tema, pois descreve a realidade, pois muitas pessoas mudam a forma de se comunicar quando estão conversando em um bate-papo por exemplo.

  33. Apesar da popularização da internet com o acesso a informação a disseminação de cultura para um número bem maior de pessoas, a internet trouxe também a popularização da linguagem.

    Notamos que os textos estão cada vez mais objetivos e diretos, uma vez que incoporaram uma nova linguagem, com diferentes abreviações e termos não utilizados no dia-a-dia fora do ambiente virtual. Não vejo isso com um problema, mas como um ponto de atenção em saber a hora e o ambiente correto de utilizar a mesma.

  34. Olá. Acho que esse é um tema interessante de ser abordado, principalmente devido ao advento da Internet, porém, o grupo não explorou as possibilidades que o assunto poderia ter abordado, especialmente no tópico do parágrafo final, que fala da escrita da Internet, e se é correto, errado, formal e informal. Há diversas discussões que poderiam ter sido levantadas à esse respeito. Fiquei com a sensação de que faltou um desenvolvimento mais elaborado do texto e uma conclusão.

  35. acho interessante o ato de remeter ao passado e as dificuldades de se publicar e dar sua opnião outrora.
    Acho que o mais importente foi a idéia central, bem trasmitida, que nos dias de hoje o acesso a informação e a facilidade de disponibilizá-la. Seja ela de qualidade ou não muito mais acessível!