EAD e Moodle – a experiência na UFMG

O presente artigo tem por objetivo abordar as vantagens do uso de softwares livres nas propostas de educação à distância (EAD), a partir do caso da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), que utiliza o Moodle. Por meio deste software, são realizadas diversas atividades educacionais, que vão desde a postagem de trabalhos no ambiente virtual à realização de cursos completos de graduação. A discussão centraliza-se na seguinte questão: de que forma o uso do Moodle, enquanto software livre, contribui para a prática da educação à distância na UFMG?
Autores: Isadora Marques: isamarques210 em gmail.com

Leia o ARTIGO COMPLETO aqui

39 thoughts on “EAD e Moodle – a experiência na UFMG

  1. Olá.
    Tenho duas colocações a fazer sobre o tema:
    1ª) Acreditar que em um AVA “Nem alunos ou professores precisam de horários fixos para realizar as atividades ou estudar” é um mito. Pois, os chats e as provas presenciais são realizados em dias e horários determinados.
    2ª) Entendo que umas das grandes vantagens do Moodle para as universidades seja o fato dele ser escalável. Assim, com o aumento de usuários é possível pensar em novas soluções em termos de servidor e não perder desempenho.

    Att.

    Samuel Mota

  2. O sistema de educação a distância é uma excelente alternativa para os cursos que exigem grande quantidade de disciplinas eletivas e ainda possui uma grade de horários cheia. No curso de Comunicação Social, por exemplo, a utilização do moodle facilita a entrega de trabalhos e também com a possibilidade de cursar disciplinas online o aluno pode fazer seu próprio horário de estudos.
    Para mim, a primeira questão proposta acima pelo Samuel não se aplica, pois as disciplinas online garantem certa autonomia ao estudante. As provas presenciais são realizadas apenas uma ou duas vezes por semestre, quando existem. Então, a questão do “horário fixo” é pouco ou nada aplicada.

    Att,
    Anna Paula Silveira

  3. Na minha opinião, uma outra possível vantagem da EAD seria uma extensão da universidade sem a necessidade de construir novas unidades no interior. Poderia ser construído cursos inteiramente a distância, tanto de graduação quanto de pós-graduação, que aumentaria o acesso a educação de qualidade. Creio que em Minas Gerais um projeto desse porte poderia beneficiar vários cidadãos.

    Att,
    Alice Lopes Fabris

  4. Concordo que a EAD contribui para expansão de uma universidade em âmbito tecnológico e de pesquisas,e auxilia na gestão de espaço e pessoas, principalmente em uma universidade como a UFMG, que nos últimos três anos expandiu-se tanto com o REUNI.Mas é importante ressaltar que nem todos os cursos de graduação e disciplinas ofertados devem ser inteiramente a distância, pois há profissões que demandam prática, laboratórios como medicina, enfermagem, engenharia civil, e vários outros.Talvez as disciplinas teóricas de introdução da maioria de alguns cursos possam ser em EAD.Mas é complicado generalizar.
    Att, Valquíria

  5. Educação a distância, é bom quando o aluno sabe utilizar e tirar proveito. Sempre que possível eu faço curso à distância, pois a flexibilidade quanto ao horário ajuda muito o usuário a se organizar. E usando o Moodle, que também é utilizado na minha Universaidade (não desse modo),uma plataforma de SL, simples e de boa usabilidade ao meu ver trás sim contribuição. Tanto na vontade de estar no ambiente (devido ao layout atrativo), quanto na facilidade dos estudos(sem sair de casa e no horário mais apropriado para você).

  6. Quando surgiram, os cursos a distancia era mal vistos pela maioria das pessoas, em especial por membros de instituições de ensino convencionais. Contudo, devido às facilidades que esse proporciona, hoje podemos encontrar essa modalidade de ensino em diversas universidades, como é o caso da UFMG. Mesmo que ela ainda não ofereça cursos totalmente à distância, a adoção do Moodle representou um avanço na comunicação entre professores e alunos. O estudo torna-se mais interativo, e os alunos são chamados a tomar responsabilidade sobre seu aprendizado em disciplinas virtuais. Concordo quando a autora afirma que a EAD “demanda bastante responsabilidade os alunos têm um papel consideravelmente mais ativo”, e me pergunto se essa modalidade de ensino pode ser aplicada a qualquer pessoa, exige um grau de maturidade que talvez nem todos tenham.

  7. Cara Isadora,

    Parabéns pelo trabalho. Você trouxe uma discussão bem fundamentada, que encontra eco nos estudos sobre educação e tecnologias, bem como as novas questões sociais que emergem a partir do advento da internet.

    Quanto aos comentários dos colegas congressistas, discordo do Samuel quando diz que quem estuda EaD tem horários fixos que baseia seu argumento no fato de que chats e avaliações presenciais têm horários fixos. Discordo porque as atividades síncronas, de grande relevância, são uma parte extremamente pequena do currículo. Isso quando existem no currículo. E defendo que em muitos casos devem existir atividades síncronas, a distância e presenciais, como nos casos de estudos em laboratórios, por exemplo.

    Aproveite o diálogo proporcionado pelo evento!

    Carlos Castro / Comissão UEADSL 2011.1

  8. Olá,

    achei muito bacana ter utilizado o Moodle como exemplo. Estou na UFMG há quase cinco anos e percebo que o ambinte online da universidade melhorou muito. A comunicação entre professores e alunos tem melhorado semestre a semestre, seja pela disseminação de notas, seja pela discussão ou ainda por postagem de conteúdo.

    A dúvida que surgiu ao ler seu artigo foi se outras universisdades federais adotam o modle.

    bom evento!

  9. Isadora,
    ao ler o artigo chamou a atenção para seguintes informações : “Nos cursos tradicionais presencias ,os alunos geralmente são ouvintes dentro de sala de aula,ao que professores desempenham a função de transmissores de conhecimento.”
    (..) A educação à distância (..) A função do professor limita-se a disponibilizar o material didático, elaborar atividades, fomentar discussões, orientar e avaliar os alunos e esclarecer eventuais dúvidas (..)
    Percebo visão distorcida das funções do professores tanto cursos tradiconais e educaçação a distância principalmente em nivel superior. Sou aluna do curso de Biblioteconomia e sempre somos desafiados a buscar informações relevantes do curso e atuação do profissional que são debatidos em sala de aula com auxilio do professor com resultado percebo o desenvolvimento critico tanto para nós como para o professores.
    Então gostaria que falasse mais sobre porque considera que o professores em sala de aula somente e transmissor de conhecimento e educação a distancia limita a disponilizar o material didatico?

  10. Acredito que o texto em si ficou de bom tamanho e qualidade.

    A experiencia do Moodle na UFMG é de excelente tema, pois seu uso transformou as relações aluno/professor, Contudo acho que o texto poderia ter esmiuçado ainda mais esse dilema da ausencia da relação presencial dos personagens que compoem essa construção de conhecimento na disciplina.

    No mais, acredito que o texto foi bem elaborado e trouxe um tema bem próximo de nós estudantes da UFMG.

  11. Muito bom o texto. A educação a distância está crescendo bastante no país, mas ainda não é bem vista com bons olhos por muitas pessoas. Se eu fosse um dono de uma empresa e precisasse contratar algum aluno, eu tenderia a escolher o profissional que fez um curso presencial ao invés do que tivesse realizado um curso a distância. Acho que isto ainda é um preconceito que ainda existe no meio profissional e que preciso ser quebrado com dado científicos mais apurados em relação a educação a distancia. Eu não conheço os dados sobre a avaliação dos cursos a distancia no exame do ENADE e também não sei se existe cursos de engenharia elétrica totalmente a distancia. O EAD tem muito que expandir no pais, mas é necessário transpor algumas barreiras ideológicas de algumas pessoas.

  12. Olá, Samuel!
    Bom, conforme destaca a Anna, a experiência em disciplinas eletivas online no curso de Comunicação Social envolve pouquíssimas provas presenciais. Cursei duas disciplinas online em semestres anteriores e só fiz três provas presenciais. Nesse semestre, estou matriculada em outras duas disciplinas online que sequer têm prova presencial. Uma delas é a disciplina Fundamentos de Libras, que só teve dois encontros presenciais, os quais foram agendados em vários dias e horários diferentes, justamente para se ajustar às possibilidades de todos os alunos. Os chats também são abertos em horários bastante flexíveis. Essas disciplinas apenas estabelecem prazos para a realização das atividades. Considero, então, que os alunos têm sim muita liberdade para estudar de acordo com seu própria programação semanal.
    Quanto à sua segunda colocação, concordo que se trata de uma grande vantagem do Moodle. Todas as disciplinas online que já cursei e ainda estou cursando constituem turmas realmente muito grandes e o Moodle tem funcionado satisfatoriamente, permitindo que as disciplinas online funcionem na UFMG.
    Att.,
    Isadora

  13. Olá, Anna!
    Concordo plenamente com as suas observações. O Moodle realmente facilita muito a entrega de trabalhos e também a leitura dos textos indicados e disponibilizados pelos professores. E a autonomia dada aos alunos, por meio da possibilidade de montarem seu próprio horário de estudos, é outro grande benefício.
    Att.,
    Isadora

  14. Oi, Alice! =)
    Concordo com a idéia de que a educação à distância pode contribuir muito para o acesso a cursos universitários nos municípios do interior. No entanto, acho que cursos de graduação e pós-graduação totalmente à distância teriam qualidade inferior. Quando falamos de Humanas, essa proposta parece um pouco mais viável, contudo, muitas disciplinas precisam de encontros e aulas presenciais, além das avaliações. Cursos como medicina e enfermagem, conforme exemplifica a Valquíria, não podem ser feitos unicamente via internet. E mesmo no meu curso, que também é de Humanas, vejo a necessidade de oficinas presenciais, como a de fotografia, rádio e televisão. Creio que é possível levar mais cursos universitários para o interior a partir da conciliação entre atividades presenciais e online. Desse modo, os custos com a construção e manutenção de novas unidades seria reduzido, mas elas ainda são muito importantes para o ensino superior.
    Att.,
    Isadora

  15. Olá Valquíria!
    Concordo plenamente com a sua observação, muito bem lembrado! Não se pode mesmo generalizar, cada curso tem sua especificidade.
    Att.,
    Isadora Marques

  16. Olá Edson!
    Concordo com seu comentário, para que um curso online seja bem-sucedido, é necessário que os alunos saibam utilizar o ambiente virtual adotado pela universidade e tirar dele o maior proveito possível. O Moodle possui muitas ferramentas interessantes e é um ambiente em que o trabalho colaborativo e a interação entre os participantes é bastante estimulada. Se o aluno, no entanto, fizer apenas as atividades obrigatórias indicadas pelo professor, estará perdendo as potencialidades oferecidas pelo Moodle.
    Att.,
    Isadora

  17. Olá, Natália!
    É verdade, nem sempre os cursos à distância foram aceitos da forma que são hoje. O Moodle realmente representa hoje, antes de tudo, um avanço significativo na comunicação entre professores e alunos. E gostei muito da sua observação sobre a responsabilidade que as disciplinas online demandam dos alunos. Eles tornam-se ainda mais responsáveis pelo próprio processo de aprendizado nesses ambientes virtuais. Espera-se que os estudantes universitários tenham maturidade suficiente para arcar com esse tipo de responsabilidade.
    Att.,
    Isadora

  18. Oi, Carlos!
    Muito obrigada! =)
    Fico feliz por ter levantado uma discussão pertinente ao assunto. O uso das tecnologias relacionadas à internet está cada vez mais presente na educação, seja ela fundamental, de nível médio ou superior e é importante refletir acerca disso, de que forma isso se dá. Concordo também que há casos em que as atividades síncronas são imprescindíveis para o próprio desenvolvimento do curso em questão.
    Att.,
    Isadora

  19. Oi, Rodrigo!
    Que bom que você tem coisas positivas a dizer sobre o Moodle. Estou no meu 3º ano na UFMG e vejo que muitos alunos reclamam sempre dele. Mas também percebi (embora tenha menos tempo de universidade que você) que o Moodle vem melhorando continuamente, o que é ótimo, tanto para os professores quanto para nós, alunos.
    Quanto ao uso do Moodle nas outras universidades federais, não pude pesquisar sobre o assunto ainda, mas vou tentar encontrar essa informação o mais rápido possível para te responder, tudo bem? =)
    Att.,
    Isadora

  20. Oi, Patrícia!
    Bom, como escrevi, acho que é o que ocorre “geralmente”. Esse quadro em que os alunos assumem papel mais passivo e os professores são os responsáveis por transmitir o conhecimento que possuem é a minha visão do ensino tradicional, que persiste até hoje em muitas disciplinas, infelizmente. Claro que, atualmente, tem-se buscado mudar esse modelo antigo e ultrapassado de ensino, por meio da valorização da participação dos alunos, da discussão e das aulas interativas em que toda a turma constrói, conjuntamente, o conhecimento. É esse tipo de experiência educacional que gostaria de ver em todas as disciplinas, sejam elas presenciais ou online. Mas, pela minha observação das disciplinas que já cursei até hoje, não é o que acontece na maior parte dos casos. Também percebi que, normalmente, os alunos são mais ativos – até porque são estimulados a agirem dessa forma no ambiente virtual do Moodle – nas disciplinas online.
    Sobre a função do professor nas disciplinas online, não disse que consiste apenas em disponibilizar o material de estudo, mas também em “elaborar atividades, fomentar discussões, orientar e avaliar os alunos e esclarecer eventuais dúvidas.”.
    Att.,
    Isadora

  21. Olá, Alessandro!
    Obrigada pelas críticas, são muito construtivas! Concordo que o trabalho seria melhor se tivesse explorado mais a questão da ausência das relações pessoais. Mas, infelizmente, até mesmo por limitações relativas ao tamanho do texto, não pude aprofundar muito mais a discussão. Mas, novamente, obrigada pela idéia, pode ser útil em um futuro trabalho sobre educação à distância.
    Att.,
    Isadora

  22. Oi, Luiz Fernando!
    Obrigada! Também concordo que por mais que se tenha evoluído nessa questão, ainda existe certo preconceito quanto aos cursos totalmente feitos à distância e é necessário pensar medidas para mudar essa visão e esclarecer as pessoas do potencial e importância da existência desses cursos. Também fiquei interessada em saber sobre os dados do ENADE a respeito dos resultados dos alunos de cursos à distância. Vou ver o que encontro sobre o assunto. =)
    Att.,
    Isadora

  23. “Nos cursos tradicionalmente presenciais, os alunos geralmente são ouvintes dentro da sala de aula, ao passo que os professores desempenham a função de transmissores de
    conhecimento. Esse modelo pedagógico se tornou cultura em todo o mundo e ainda permanece nos dias atuais, juntamente com propostas pedagógicas mais modernas e inovadoras. Já nos cursos online, os alunos têm um papel consideravelmente mais ativo.
    Eles participam das discussões temáticas, por meio dos fóruns de discussão, e também podem opinar sobre as postagens dos demais alunos do curso, além de também interagir de modo mais livre com os professores e monitores.”
    .
    discordo totalmente de quando vc fala q os alunos são passivos no processo de construção do conhecimentos nos moldes tradicionais.
    .
    considero q aqui se mostra uma opinião muito unilateral e preconceituosa. existem sim aulas bem interativas e dinâmicas em ambos os moldes.
    .
    penso q o EaD é sim uma alternativa importante e q devemos analisar com carinho desde de agora, ainda mais em lugares q o ensino presencial é pouco aplicável (ex.:regiões longínquas do interior de minas), contudo, n creio q devemos abandonar tudo q já foi construído até hoje.

  24. Luiz Henrique, você fez um comentário muito parecido com da Patrícia, como pode ver acima. Inclusive já expliquei esse ponto na resposta ao comentário dela. Se você ler o mesmo trecho que citou do meu artigo com os grifos seguintes, talvez entenda melhor minha afirmação: “Nos cursos tradicionalmente presenciais, os alunos geralmente são ouvintes dentro da sala de aula (…). Esse modelo pedagógico se tornou cultura em todo o mundo e ainda permanece nos dias atuais, juntamente com propostas pedagógicas mais modernas e inovadoras. Já nos cursos online, os alunos têm um papel consideravelmente mais ativo. Eles participam das discussões temáticas, por meio dos fóruns de discussão, e também podem opinar sobre as postagens dos demais alunos do curso, além de também interagir de modo mais livre com os professores e monitores.”
    Não disse que os alunos são passivos no modelo tradicional de construção do conhecimento. Apenas disse que, na maioria dos casos (por isso o “geralmente”), o modelo tradicional – e retrógrado – de aula tem um funcionamento tal que aos alunos é atribuído papel mais passivo, em relação aos professores, os quais normalmente ocupam a posição de responsáveis pela transmissão de conhecimentos. É isso que observei na maior parte das aulas que tive ao longo de toda a minha vida. Não concordo com isso, muito pelo contrário, acho lamentável, mas foi esse o modelo predominante em minha educação (e na de muitas outras pessoas, sorte a sua se não foi o seu caso) e é um modelo que ainda permanece, não foi completamente superado.
    Por outro lado, também percebi, felizmente, uma tentativa de ruptura desse modelo, principalmente desde que ingressei na UFMG, em 2009. Tem-se buscado mudar esse modelo antigo e ultrapassado de ensino, por meio da valorização da participação dos alunos, da discussão e de aulas mais interativas. Não disse que não existem aulas presenciais interativas e dinâmicas (observe novamente o trecho “Esse modelo pedagógico se tornou cultura em todo o mundo e ainda permanece nos dias atuais, juntamente com propostas pedagógicas mais modernas e inovadoras.”). Muitos professores elaboram aulas em que o conhecimento é construído de forma conjunta, com a intervenção e participação ativa por parte de muitos alunos. Isso é ótimo, mas não é o que ocorre na maioria dos casos.
    Percebi que, normalmente, os alunos são mais ativos nas disciplinas online, inclusive porque o próprio ambiente virtual de aprendizado à distância exige esse comportamento para que o curso em questão funcione bem. É demandado um tipo de responsabilidade semelhante à do autodidata (não estou dizendo que fazer disciplinas online é ser autodidata, apenas a responsabilidade exigida do aluno é parecida, ok?).
    Também não acho que devamos abandonar tudo o que se foi construído até agora. Até porque nem sequer existiriam as disciplinas online como conhecemos hoje se não houvesse as bases do modelo tradicional de ensino. Se você ler minha resposta ao comentário da Alice, acima, talvez entenda com mais clareza meu ponto de vista. Creio que é possível levar mais cursos universitários para o interior do estado a partir da conciliação entre educação à distância e presencial.
    Espero que essa explicação te ajude a interpretar corretamente o artigo a partir de agora. =)
    Att.,
    Isadora

  25. Adorei o texto! Condiz com minhas experiências em relação a uma matéria online que fiz na graduação (LIBRAS ONLINE), todos os seus apontamentos são pertinentes principalmente o que diz que estudamos muito fazendo matéria online, pois tem forun, atividades de cada texto um grande intensivo.
    Parábens,
    Josi

  26. O moodle está ajudando a EAD a vencer o preconceito que até hoje está presente na nossa sociedade. O moodle foi um excelente artifício escolhido pelas universidades para vencer a barreira da distância entre os alunos e os centros universitários.
    Parabéns pelo artigo,
    Ana Paula.

  27. Primeiramente, parabéns pelo artigo, Isadora.
    Acredito que a Educação à Distância na UFMG ainda esteja em uma fase de adaptações. Não nego os benefícios desse novo modelo de educação, mas acredito que ainda não podemos equiparar a fluidez de conhecimento entre aluno e professor desse modelo com aquela existente no modelo presencial. Acredito que ainda ha muito o que ser estudado e melhorado em termos do uso da ferramenta Moodle.
    O que percebo é que as matérias à distância ofertadas pela UFMG teem sido cursadas por muitos alunos com a finalidade única de fácil obtenção de créditos. Em virtude disso, a qualidade do ensino é altamente afetada.
    Reforço que não nego os benefícios deste modelo, mas acredito que a forma com que ele está sendo utilizado na UFMG deva ser repensada.

    Att,

    Víctor França de Moraes

  28. Eu achei esse artigo muitíssimo interessante, pois eu sou aluno da UFMG e conheço muito bem a importância do moodle para professores e alunos.Além disso, achei que o texto deixou as idéias sobre o uso de softwares livres na universidade muito claras.Meus parabéns à escritora do artigo.

  29. Sistemas de educação a distância são a grande tendência no mundo, especialmente diante de um cenârio cada vez mais global e dinâmico. Este tipo de sistema proporciona uma flexibilidade na busca do conhecimento, e neste sentido, o uso de softwares livres têm extrema importância como exemplificado pelo autor do artigo.

  30. Isadora,

    Boa noite.

    Achei bem relevante sua temática, visto que o moodle é nossa constate ferramenta de trabalho e estudo. Pena que muitos dos professores não o utitlizam, dificultando assim o contato professor-aluno-disciplina.

    Parabéns pelo artigo.

    Bruna Saraiva

  31. Excelente artigo! Muito bem escrito e fundamentado. Acredito que a EAD é o futuro das universidades. Hoje tudo é feito sobre a ótica do computador. Mas, apesar de acreditar que a EAD é um avanço, na medida em que economiza tempo (bem muito precioso na atualidade), não sei se “gosto” desse futuro. As relações estão cada vez mais impessoais e pensar que o convívio da universidade pode ser dispensado é muito triste. A universidade além de um local de conhecimento e troca de informações, é também um lugar onde se criam vínculos que podem ser levados para toda a vida.

  32. Muito pertinete a análise acerca do tema feita pelo grupo! Nós estudantes devemos nos preocupar com esse assunto, pois irão nos influenciar mesmo que indiretamente.

  33. Pessoal,
    Parabéns pelo trabalho. Você trouxe uma discussão bem fundamentada, que encontra eco nos estudos sobre educação e tecnologias, bem como as novas questões sociais que emergem a partir do advento da internet.
    Abraço

  34. Parabéns pelo trabalho!O EaD é realmente a forma mais prática e moderna que as universidades podem usar para semear o conhecimento.Além de possuir uma qualidade tão boa quanto os cursos presenciais e com a vantagem de o aluno fazer seus próprios horários de estudo, não existe perda na qualidade do ensino se formos comparar o EaD com o ensino tradicional. Temos a vantagem também de poder interagir com alunos de outros cursos, de outras universidades e até de outros países.

  35. Gostaria de parabenizá-la pelo tema escolhido e sobre a forma como o artigo foi desenvolvido. Também concordo com as idéias defendidas sobre essa metodologia de ensino, acredito que a Educação a Distância, faz parte de um processo de inovação educacional amplo, que promove a integração das novas tecnologias de informação e comunicação ajudando no aprimoramento dos processos educacionais, no entanto acredito que os cursos devem ofertas disciplinas a distancia de acordo com sua peculiaridade.

  36. O Moodle é uma ótima ferramenta para otimização de tempo de um curso superior. Infelizmente não é usado na íntegra por alguns professores que não são adeptos à tecnologia disponível a eles. A implantação deste sistema na UFMG mostra o interessa da Entidade em facilitar o ensino e organização de dados. Triste é ver que um dos principais usuários não colaboram no uso efetivo desta ferramenta.

  37. Ótimo artigo! Gostei muito por você ter citado a UFMG neste evento. A utilização de software livre na Universidade vem crescendo e melhorando. Tenho certeza que aprimorando softwares livres em universidades é o caminho mais curto para sua popularização.

  38. Muito bom artigo, gostei de voces terem citado como o uso do EaD nos dias de hoje vem aumentando, levando o conhecimento cada vez a um maior numero de pesoas.
    parabens !

  39. Ótimo artigo.O Moodle é realmente uma excelente ferramenta no ensino à distância e proporciona uma maior interação entre alunos e professores.