nov 03

Princípios de aprendizagem em jogos eletrônicos educacionais

A gameficação ou ludificação (DETERDING, 2011) é um processo que vem se
disseminando como estratégia de aprendizagem. Os jogos, presentes agora não só
nos videogames, mas também nos computadores, nos tablets e também nos telefones
celulares, tornaram-se parte da realidade cotidiana das pessoas que estão conectadas na internet. Mais que uma forma de entretenimento, eles passam a mobilizar esforços e a criar comunidades que se relacionam em objetivos comuns, concebendo novos mundos sociais e culturais. Nesse contexto, percebemos que os jogos eletrônicos educacionais parecem seguir um caminho inverso do que Gee (2005, 2008) classifica como “bons jogos”. O objetivo desse artigo é discutir sobre a aprendizagem propiciada pela experiência de jogar jogos eletrônicos e apresentar a análise de um jogo educacional.
Autores: Marcus Guilherme Pinto de Faria Valadares
Claudia Almeida Rodrigues Murta

Leia o ARTIGO COMPLETO aqui

nov 03

Os direitos de acesso e a liberdade na rede

A massificação do uso da internet facilitou o acesso à informação e tornou o espaço virtual o principal meio de comunicação global. Diante disso, tem-se discutido o direito de acesso e a liberdade de uso dos conteúdos disponíveis na rede. Desta forma, este estudo tem como objetivo discutir o direito fundamental dos usuários de internet no Brasil, bem como o acesso à internet e a liberdade de expressão. Com base em artigos e reportagens, será analisada, sob o ponto de vista semiótico, a presença dos programas narrativos no artigo O impacto das novas tecnologias nos direitos humanos e fundamentais: o acesso à internet e a liberdade de expressão, de Guilherme Damásio Goulart, publicado na Revista Direitos Emergentes na Sociedade Global, na Universidade Federal de Santa Maria em 2012.
Autores: Kely Alves dos Santos
Letícia de Figueiredo Carlos e Oliveira
Carla Eliane Quaresma

Leia o ARTIGO COMPLETO aqui

nov 03

Implicações do estágio na formação do docente matemático

O princípio formativo não se constitui por acumulação de técnicas, conhecimentos ou outros fatores pertinentes, mas pautado pela reflexão sobre a ação educativa, buscando uma identidade pessoal que reflita as necessidades individuais e coletivas da classe, investindo o educador de valores e crenças que incorporem experiências positivas de aprendizagem nas comunidades escolares em que atua.
Autores: Neiva Daiane Cordeiro Gomes
Francisco Jeovane do Nascimento
Miguel Jocélio Alves da Silva

Leia o ARTIGO COMPLETO aqui

nov 03

Análise semiótica de campanha publicitária O Boticário

O projeto consiste em analisar a campanha publicitária “Conto de Fadas” lançada pela empresa de cosméticos O Boticário. A ideia principal é tentar observar como a semiótica está inserida nos anúncios e até que ponto seu poder persuasivo pode manipular o interlocutor. Para isto, averiguaremos conceitos importantes que nos ajudarão a entender como é possível este tipo de influência sobre o leitor, como o plano de expressão, sustância do conteúdo, substância da expressão e quais linguagens foram utilizadas. Cabe ressaltar que para chegarmos a estas respostas é fundamental que tenhamos conhecimento da intenção do produto e o que realmente o texto quer transmitir.
Autores: Jacqueline Calisto Costa
Raquel de Paula Pinto Soares

Leia o ARTIGO COMPLETO aqui

nov 03

Short Message Service e Whatsapp: interações textuais por meio de dispositivos móveis

A tecnologia beneficia e ao mesmo tempo negligencia a comunicação entre as pessoas. O benefício é evidente pelo fato de que os celulares aproximam as pessoas. Todavia, eles também distanciam-nas de interações face a face. A
negligência pode tornar as pessoas mais dependentes de recursos tecnológicos
para se comunicar e obstruem o desenvolvimento de habilidades conversacionais
que ocorrem apenas presencialmente.

Autores: Breno de Campos Belém

Leia o ARTIGO COMPLETO aqui

out 15

Pré-Abertura 20/10

Palestrante convidada: prof.a Clarisse Lima Abrahão (INOVAPOA/Porto Alegre e ASL)

Evento presencial a acontecer no dia 20/10 às 13h no auditório 1007 da Faculdade de Letras da UFMG.

O colóquio está sendo promovido pelo Grupo Texto Livre, com apoio da diretoria da FALE/UFMG, do Programa de Pós-graduação em Estudos Linguísticos/FALE/UFMG e do laboratório SEMIOTEC/FALE/UFMG.

out 15

ABERTURA: Labirinto (apresentação online de dança)

O grupo surgiu como coleta de dados para a pesquisa sobre Ensino de Dança, realizada no CEFET-MG, em parceria com o COLTEC-MG. Este vídeo faz parte da primeira etapa da pesquisa, apenas três meses de aulas com alunos iniciantes foram realizadas para a gravação da coreografia. Trabalhamos com os elementos da Dança Contemporânea mesclados aos princípios da Dança Experimental e da Arte do Movimento de Rudolf Laban. Estes princípios nos ofereceram ferramentas para se trabalhar os fundamentos do esforço corporal, tais como os fatores de movimento (o alcance de uma qualidade à outra): tempo, subido ou lento; espaço, direto ou flexível; peso, firme ou leve; fluência, livre ou controlada. A coreografia foi criada ao longo das aulas, a partir das experiências realizadas em sala de aula e das respostas corporais dos alunos diante da proposta coreográfica. E o processo continua…

ASSISTA O ESPETÁCULO:

Labirinto -troupe Carol Konzen

Coreógrafa: Caroline Konzen Castro
Bailarinos:
Islander Rodrigues da Silva
Flavio Andrade Luciano
Elaine Batista dos Santos
Leilane S. Vertelo
Angélica Lopes
Michele Alves
Naara Alves
Marianne Christine
Kéren Paiva
Marcela Souza
Flavinha Cardoso
Caroline Konzen Castro