set 05

Comissão Organizadora 2013.1

Comissão Organizadora 2013.1:

Ana Cristina Fricke Matte (coordenação)

Carla Vianna Coscarelli

Carlos Henrique Silva de Castro

Daniele de Oliveira

Mariana Bicalho Furst

Michele Mara Salles

Paula Tatiana Pereira Santos

Renise Cristina Santos

Sabrina Perpétuo Ferreira

Equipe de apoio e secretaria:

Eclésio Giovanni Fatima Silva

Thalita de Almeida

Agda Mendonça

Clayton Vilaça

Márcia Nascimento

Regina Ribeiro Pinto

Marcella Tedeschi

Eva dos Reis

André Duval

Comitê Científico  2013.1:

Ana Cristina Fricke Matte (coordenação)

Carla Viana Coscarelli

Carlos Henrique Silva de Castro

Daniele de Oliveira

Mariana Bicalho Furst

Michele Mara Salles

Paula Tatiana Pereira Santos

Renise Cristina Santos

Sabrina Perpétuo Ferreira

Equipe técnica:

Hugo Leonardo Canalli (coord.)

Rafael Luiz Caldas Almeida

jun 08

EDITORIAL – DIAS 13 E 14

Leia aqui as frases-sínteses dos artigos do quarto e último bloco, para facilitar a escolha de quais propostas deseja acompanhar.
Autores: Ana Cristina Fricke Matte
Paula Tatiana Pereira Santos
Carla Viana Coscarelli
Sabrina Perpétuo Ferreira
Michely Mara Caetano Werneck da Silva Salles
Renise Cristina Santos
Mariana Samos Bicalho Costa Furst
Daniele Oliveira

Leia o ARTIGO COMPLETO aqui

jun 08

EDITORIAL – DIAS 12 E 13

Leia aqui as frases-sínteses dos artigos do terceiro bloco, para facilitar a escolha de quais propostas deseja acompanhar.
Autores: Ana Cristina Fricke Matte
Paula Tatiana Pereira Santos
Carla Viana Coscarelli
Sabrina Perpétuo Ferreira
Michely Mara Caetano Werneck da Silva Salles
Renise Cristina Santos
Mariana Samos Bicalho Costa Furst
Daniele Oliveira

Leia o ARTIGO COMPLETO aqui

jun 08

EDITORIAL – DIAS 11 E 12

Leia aqui as frases-sínteses dos artigos do segundo bloco, para facilitar a escolha de quais propostas deseja acompanhar.
Autores: Ana Cristina Fricke Matte
Paula Tatiana Pereira Santos
Carla Viana Coscarelli
Sabrina Perpétuo Ferreira
Michely Mara Caetano Werneck da Silva Salles
Renise Cristina Santos
Mariana Samos Bicalho Costa Furst
Daniele Oliveira

Leia o ARTIGO COMPLETO aqui

jun 08

EDITORIAL – DIAS 10 E 11

Leia aqui as frases-sínteses dos artigos do primeiro bloco, para facilitar a escolha de quais propostas deseja acompanhar.
Autores: Ana Cristina Fricke Matte
Paula Tatiana Pereira Santos
Carla Viana Coscarelli
Sabrina Perpétuo Ferreira
Michely Mara Caetano Werneck da Silva Salles
Renise Cristina Santos
Mariana Samos Bicalho Costa Furst
Daniele Oliveira

Leia o ARTIGO COMPLETO aqui

jun 07

Votação Pública: O melhor artigo de 2013.1

Desde a última edição, o UEADSL traz essa novidade: além dos trabalhos que a Comissão Científica está avaliando para receber Menção Honrosa, o público também poderá votar e fazer sua indicação. Um trabalho será selecionado por vocês para receber Menção Honrosa junto com os outros.

Para votar, deixe um comentário breve, que deve seguir o formato:

Título do trabalho votado

Link (indique o link da página do blog onde está publicado o trabalho)

Comentário: diga porque você acha que este é o melhor trabalho que você leu. Lembre-se que este comentário pode fazer outras pessoas lerem e votarem ou não no mesmo trabalho, então seja bem claro sobre seus motivos.

=> Cada participante tem direito a um voto; caso queira mudar, vote novamente, que excluiremos o voto anterior da contagem.

=> a votação termina na noite do dia 13/06, o resultado será publicado no dia 14/06. PRORROGADO ATÉ SÁBADO DIA 15!!!

OBS: votos de autores no próprio artigo serão desconsiderados.

jun 01

Quem é livre no Facebook?

A presente conferência busca questionar a suposta liberdade que se tem no site Facebook, que conecta redes sociais, o maior do gênero. Os usuários, geralmente, se sentem livres para postar e compartilhar textos diversos. Para tanto, o usuário aceita os termos de compromisso e uma controversa política de uso de dados que permite ao sistema, por exemplo, o acesso, por meio do seu endereço de IP, todos os seus cliques, incluindo as páginas da web que visita.
Autores: Carlos Henrique Silva de Castro

Leia o ARTIGO COMPLETO aqui

maio 30

O compartilhamento de arquivos e sua importância para a cultura livre

A internet é hoje a melhor forma de troca de informações, conhecimento e cultura além de facilitador de divulgação de trabalhos e obras. O compartilhamento de arquivos associado a um modelo de licença livre tem sido de suma importância para o desenvolvimento social e cultural da sociedade.
Autores: Francisco Prates Jr

Leia o ARTIGO COMPLETO aqui

maio 30

O processo de reelaborações de gêneros discursivos em redes sociais

Minha fala é um recorte que faço do Projeto REGE (Reelaboração de gêneros em redes sociais) em desenvolvimento no grupo Hiperged, vinculado ao Programa de Pós-Graduação em Linguística (PPGL), da UFC, em parceria com pesquisadores de outras universidades. Nesta pesquisa, buscamos responder às seguintes questões: 1) Qual a natureza dos gêneros mais recorrentes na organização das práticas discursivas das redes sociais Twitter e Facebook? 2) Considerando que são gêneros ainda em estado de emergência, como caracterizá-los quanto aos seus processos de reelaboração? 3) Que metodologias podem dar conta dessa análise? A base teórica do trabalho procede da teoria de gêneros de Bakhtin (2000), passando pela releitura que Costa (2010) faz da subcategorização do conceito de transmutação proposto por Zavam (2009). O objetivo é o de descrever os gêneros que organizam as práticas discursivas nas redes sociais Twitter e Facebook, considerando o continuum entre a estandardização e a emergência que caracteriza o fenômeno de reelaboração criadora de gêneros. Para a análise, utilizamos 70 mensagens do Facebook e 70 do Twitter, coletadas entre os meses de Agosto de 2011 e Maio de 2012. Os dados permitem a conclusão de que, da dinâmica de valores que rege as interações ambientadas nas redes sociais, mais especificamente Twitter e Facebook, emerge a necessidade, por parte dos usuários, de complexificar suas postagens, atraindo para elas maior audiência e propagação. Para dar conta desse objetivo, os atores sociais mobilizam práticas discursivas materializadas na manipulação de diferentes padrões genéricos. Esse contexto de constante modificação e investimento nas práticas de linguagem confere a essas duas redes sociais um absortivo movimento de efervescência de novos gêneros, através do processo de reelaboração criadora que transita entre a estandardização e a emergência.
Autores: Julio Araújo
Sayonara Melo Costa

Leia o ARTIGO COMPLETO aqui